Saúde

Calvície

O cabelo é muito importante dos pontos de vista estético, psicológico e social, e sua integridade se reflete na autoestima daqueles que o perdem.
A calvície caracteriza-se pela perda de cabelos com influência genética e hormonal, sendo chamada de alopecia androgenética. Pode se desenvolver em diferentes graus, tanto em homens como em mulheres. Até 80% dos homens e 50% das mulheres apresentam evidência de calvície aos 70 anos.
Ela determina um processo progressivo de afinamento dos fios de cabelo, até a miniaturização destes.
O fio normal tem a vida média de cinco anos. Depois, ele entra em processo de repouso e queda e retorna com a mesma espessura do anterior, seguindo por mais cinco anos. Normalmente, perdemos em torno de 50-80 fios por dia nesse ciclo.
O fio, nos indivíduos predispostos à calvície, volta cada vez mais fino e menor, transformando-se progressivamente em uma penugem. Essa transformação lenta e gradual vai provocando uma rarefação capilar.
Nos homens, veem-se nitidamente as entradas e as áreas com rarefação, poupando a parte posterior (próximo à nuca) e lateral (próximo às orelhas). Na mulher, ocorre uma rarefação difusa na parte superior do couro cabeludo, vista na linha média quando se parte o cabelo ao meio. A velocidade de progressão e as variações de padrão são determinadas geneticamente.
O diagnóstico é realizado através do exame físico, com ajuda de aparelhos que ajudam a ver a variabilidade na espessura dos fios de cabelo.
O tratamento visa a parar esse ciclo de afinamento e impedir que a doença avance, além de melhorar a espessura dos fios que já afinaram. De acordo com cada caso, existem medicamentos tópicos e orais a serem usados. Como adjuvante, pode ser realizado tratamento com intradermoterapia capilar, drug delivery com laser fracionado ou microagulhamento, LLLT (low level light therapy) e MMP (microinfusão de medicamentos na pele). Nos casos mais avançados, existe o transplante capilar.
É importante iniciar o tratamento nos primeiros sinais para uma melhor resposta terapêutica.

Dra. Thaís de Paula A. Mesquita
Dermatologista

Notícias relacionadas