Cidade Expresso Foco

Dmae faz parceria para ampliar educação ambiental

Minifazenda está sendo construída para promover educação ambiental para alunos da rede pública

As ações de educação ambiental do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) ganham um aliado. Por meio de um Termo de Cooperação Mútua entre a autarquia e Marcos Casassanta, proprietário da fazenda Retiro Águas Vivas, será construída uma minifazenda dedicada a promover educação ambiental para alunos da rede pública. Em uma área construída 1,5 mil metros quadrados, o empreendimento fica a 29 quilômetros do Centro de Uberlândia, às margens da represa de Capim Branco I. A “Fazendinha Retiro Buriti” vai receber, gratuitamente, a partir de 2018, alunos de escolas públicas por meio das ações coordenadas pela equipe do Programa Escola Água Cidadã (Peac).

A parceria, assinada nesta segunda-feira, 11, não prevê transferência de recursos financeiros entre as partes, sendo o trabalho realizado em cooperação mútua de serviços prestados à comunidade com fins educacionais. “A nossa intenção com essa parceria é promover a educação ambiental, estimulando o uso racional da água e a correta utilização dos sistemas de abastecimento e de esgotamento sanitário, tornando um referencial em educação ambiental no Município”, diz Sergio Vieira Attie, diretor geral do Dmae.

A equipe da gerência ambiental do Dmae e o empreendedor conheceram outras iniciativas semelhantes pelo país. O que diferencia o projeto uberlandense é que ele é focando na rede pública. O acesso dos alunos será gratuito e o Peac se responsabilizará pelo transporte até a fazenda. A obra está em fase inicial e a previsão de conclusão é para novembro deste ano. As primeiras visitas monitoradas estão previstas para o início de 2018.

No espaço, os visitantes vão conhecer, além dos animais e a cultura rural, ações de preservação de nascentes e captação de água, geração de energia, tratamento de dejetos no biodigestor, entre outros. Todas as edificações serão em madeira, pedras rústicas, telhado imitando telhas coloniais da época e piso rústico. O suprimento de água será proveniente de mina. As espécies e a quantidade de animais poderão variar de acordo com a disponibilidade e época do ano, mas no local terá ovinos e caprinos, pôneis, vacas leiteiras, cavalo/égua, peru, angola, galinhas, pintinhos, coelhos, suínos, patos, gansos, marrecos e peixes.

O ambiente da casa e do armazém será decorado com antiguidades possíveis de ser resgatadas, por exemplo: fogão à lenha, ferro à brasa, panelas de ferro, lampião, banca de queijo, ferramentas, debulhador de milho, torrador de café, entre outros. Já a área destinada a máquinas e equipamentos terá carro de boi, roda d’água, monjolo e bica d’água. O projeto contempla um restaurante para atender além das escolas, eventos nos finais de semana.

Iniciativa

O projeto nasceu do desejo da família Casassanta em dar continuidade as ações de educação ambiental com as crianças. “Esse é um sonho da família. Sempre tivemos o desejo de contribuir com a educação ambiental das futuras gerações. Me incomoda muito a falta da preservação da memória e esse projeto vai resgatar a história dos nossos antepassados, o resgate da cultura do meio rural”, conta Marcos Casassanta, ao lado da esposa Zilah e do filho Marcos. O cuidado com a educação vem de longa data. Em meados da década de 1980 o produtor cedeu uma área de sua propriedade e ajudou da construção de uma escola municipal rural. “A Fazendinha Buriti traz benefícios à comunidade como o acesso ao estilo de vida rural, trazendo a vivência para as crianças que residem na área”, completa o empreendedor.

O que terá na minifazenda:

– 1,5 mil m² de área a ser construída;
– 250 m² de estacionamento;
– 6,5 mil m² de área de piquetes de animais de médio e grande porte;
– Celeiro, casa rural, pátio (forno de lenha, latrina e chuveiro), coelheiro, área pintinhos, galinhas e codornas, chiqueiro, armazém, restaurante, banheiros, fraldário, área externa para piquenique, casa de árvore, lago com área para animais aquáticos, área de piquete para animais de médio e grande porte, área junto à casa para animais e aves de pequeno porte, horta orgânica, salão de convivência, biodigestor, exposição de ferramentas, máquinas e utensílios antigos.

Texto: Ascom Dmae

Notícias relacionadas