Saúde

Endocrinologista explica tudo sobre a tireoide

Dra. Rafaela Degaspari é endocrinologista e metabologista

Tireoide é uma glândula que todas as pessoas possuem e é essencial para a vida. Muitos pacientes chegam e falam: “Doutora, eu estou com tireoide”, mas na verdade querem dizer que têm algum problema na tireoide.

Essa glândula pesa de 15 a 25 gramas nos adultos, formada por 2 lobos, direito e esquerdo, ligados pelo istmo. Situa-se na região cervical anterior.

A tireoide regula o metabolismo do organismo através da produção de hormônios denominados tiroxina (T4) e tri-iodotironina (T3). Esta produção ocorre devido ao estímulo realizado pelo hormônio estimulante da tireoide (TSH), produzido na hipófise, que se encontra no cérebro.

O hormônio tireoidiano atua em vários órgãos importantes, no metabolismo e no desenvolvimento do coração, fígado, rins, crescimento e desenvolvimento, regulação dos ciclos menstruais, peso, fertilidade, memória, concentração, humor e controle emocional.

Para o organismo funcionar em equilíbrio é necessário que a produção desse hormônio esteja na quantidade ideal, já que ele é o “combustível” do corpo. Quando a tireoide está desregulada pode haver um excesso de produção desse hormônio, processo denominado hipertireoidismo, que faz com que o organismo fique “acelerado”. Ou pode ocorrer a diminuição da produção do hormônio tireoidiano, o hipotireoidismo, no qual o organismo e o metabolismo ficam “lentificados”, porque falta o “combustível”. Essas doenças que ocorrem na tireoide serão mais detalhadas nos próximos artigos.

Essa glândula é tão essencial que a sua função é avaliada já nos primeiros dias de vida, através do exame do teste do pezinho, realizado entre o 3° e o 7° dias de vida, pois existe o hipotireoidismo congênito, doença rara, em que o bebê nasce com a tireoide sem funcionar. O diagnóstico e o tratamento precoce são importantíssimos.
A estrutura e tamanho da tireoide são analisados através da palpação cervical e pelo exame de ultrassonografia. Essa avaliação é aconselhável porque alguns pacientes podem apresentar nódulos na tireoide e 5% deles podem ser malignos (câncer).

A avaliação da função da tireoide é realizada de uma forma simples, pela dosagem no sangue dos hormônios: TSH, T4 livre e T3 total. O ideal é, sempre que esses hormônios vierem alterados, repetir o exame, principalmente se o paciente não tem sintomas.

Um alerta para as gestantes: todas devem dosar esses hormônios no início da gestação, pois a tireoide do feto se desenvolve apenas no segundo trimestre. Assim, no início é a mãe que passa o hormônio tireoidiano a fim de propiciar o crescimento e o desenvolvimento neuromotor do feto. A quantidade do hormônio tireoidiano materno tem que estar ideal.

Caso você esteja com problemas nas áreas onde o hormônio da tireoide atua, procure um endocrinologista.

Texto: Dra. Rafaela Degaspari
Endocrinologia e Metabologia
CRM – MG 72080

Notícias relacionadas