Cidade Expresso Foco

Agropecuária realiza biometria de espécie nativa da Bacia do Rio Araguari

Projeto mostra prejuízos de pesca predatóriapor intermédio da educação ambiental

A Secretaria Municipal de Agropecuária, Abastecimento e Distritos (SMAAD) realizou a segunda biometria por amostragem de cerca de 70 mil alevinos da espécie Piaractusmesopotamicus (Pacu-caranha) nativa da Bacia do Rio Araguari. O procedimento consiste na pesagem e medição dos animais e é realizado a cada 45 dias, visando acompanhar o desenvolvimento dos peixes.

A iniciativa faz parte do projeto piloto de peixamento da espécie em seu habitat natural, com o objetivo de promover educação ambiental e amenizar os prejuízos da pesca predatória. A iniciativa é desenvolvida pela SMAAD em parceria com o Instituto Estadual de Florestas (IEF), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM).

Atualmente, os peixes do projeto encontram-se, em média, com 8 centímetros e pesam 5,5 gramas. “Há mais de três meses adquirimos os alevinos em fase de pós-larva, com cinco dias de idade e vamos recriá-los em tanques até que atinjam a fase juvenil, com aproximadamente 15 centímetros e cerca de 13 gramas. Após esse período, realizaremos a soltura em seu habitat natural, no segundo semestre do ano. Essa recria é de essencial importância para a alta taxa de sobrevivência em seu novo ambiente”, afirmou a secretária municipal de Agropecuária, Abastecimento e Distritos, Walkiria Naves.

A biometria foi acompanhada pela estudante Gabriela Augusta de Souza Lima, do último período do curso Técnico em Agropecuária do IFTM. “É excelente a oportunidade de participar desse projeto e acompanhar o procedimento.Isso me ajuda a entender a atividade na prática, o que vai ser fundamental para a minha atuação profissional”, disse.

Texto: Secom PMU

Notícias relacionadas