Cidade Destaque Expresso

Polícia registra quatro homicídios em Uberlândia em menos de 24h

A Polícia Militar registrou quatro homicídios na segunda-feira. Três por disparos de arma de fogo e uma por engasgamento. As ocorrências aconteceram nos bairros Guarani e Tibery (zona oeste) e Brasil (setor central). No bairro Guarani, os policiais foram atender solicitações sobre brigas com tiros na rua do Tango. Ao chegar ao local, a PM constatou duas pessoas atingidas por disparos de arma de fogo, um homem de 26 anos e uma mulher de 23.

O homem morreu no local e mulher apresentava sinais vitais. Ela foi socorridas ao Pronto Socorro da UFU, e faleceu na madrugada de segunda para terça-feira (09), segundo a assessoria de comunicação do HC-UFU. De acordo com a PM, vizinhos relataram que ouviram gritos e discussões vindo do interior de uma casa por volta das 12 horas. Após a discussão, foram ouvidos tiros e duas pessoas saindo em duas motocicletas do local.

Engasgamento — Já no bairro Brasil, um jovem de 28 anos morreu depois de ter sido contido e amordaçado por funcionários de uma clínica de recuperação de dependentes químicos da cidade de Patrocínio. Conforme registro da PM, a vítima deu entrada inconsciente na UAI (Unidade de Atendimento Integrado) do bairro Tibery. Os médicos tentaram reanimar o jovem, sendo necessário entubá-lo. Durante esse procedimento, vários pedaços de carne de sua boca/traqueia foram retirados e foi constatada a morte.

A mãe da vítima relatou que havia contratado a clínica de recuperação para internação e tratamento do filho que é usuário de drogas. Na segunda-feira, por volta das 13h, o jovem chegou em casa e mãe ligou para um funcionário da clínica informando que poderiam buscá-lo. Quatro funcionários da clínica foram até a residência para fazerem a contenção e a condução da vítima até a clínica em patrocínio, uma vez que a vítima não aceitava ser internada.

Segundo a PM, no momento em que os funcionários da clinica entraram na residência, o jovem estava comendo um pedaço de carne e ao perceber a presença deles ficou muito nervoso e tentou fugir, sendo contido e amarrado pelos funcionários da clinica que o amordaçaram com uma fita adesiva tampando a sua boca; que logo após, mãe da vítima percebeu que seu filho havia perdido a consciência e ainda alertou o funcionário sobre isso. Porém, ele disse que “ele só estava fingindo” e saíram na ambulância rumo a Patrocínio.

Cerca de meia hora depois que os funcionários saíram em direção à clínica. A mão da vítima recebeu um telefonema de um dos funcionários da clínica dizendo que iria buscá-la em sua casa, pois seu filho estava na UAI Tibery e ela precisava acompanhá-lo. Ao chegar na unidade ela foi informada, por funcionários da UAI, sobre a morte do filho e que os funcionários da clínica haviam ido embora.

A PM entrou em contato telefônico com o funcionário da clínica que retornou a Uberlândia com os demais envolvidos para prestar esclarecimentos sobre o fato. O funcionário relatou uma versão à PM que divergia das informações apresentadas pela mãe da vítima. Ele disse que a fita adesiva usada para amarrar e amordaçar a vítima foi fornecida pela mãe no momento em que ele se debatia com os funcionários da clínica tentando fugir. Os autores foram encaminhados à delegacia para prestar esclarecimentos e o caso foi registrado como homicídio culposo, em que não há intenção de matar.

Vinte tiros — No bairro Tibery, a Polícia Militar atendeu uma ocorrência na rua Chile e se deparou com uma pessoa de sexo masculino morta caída lateralmente entre o corredor e a porta da sala de uma casa com várias perfurações pelo corpo (braços, pernas, cabeça e tronco), proveniente de disparo de arma de fogo.

No interior da residência, havia uma senhora com um sangramento na cabeça e chorando. Ela disse à PM que a vítima era seu filho de 21 anos e que quando ouviu os disparos saiu correndo para o interior de sua residência. Nesse momento, sofreu uma queda e bateu a cabeça. A mãe do jovem disse que no momento do fato não viu nenhum autor, mas que suspeita que seu filho morreu por causa de uma dívida de R$ 300,00.

Populares nas proximidades disseram apenas que ouviram os disparos e um carro saindo “cantando pneu”. De acordo com a perícia da Polícia Civil, o jovem foi alvejado por cerca de 20 tiros, de pistola calibre 9mm.

Texto: com informações da PM

Notícias relacionadas