Destaque Expresso Painel Política

Justiça Federal determina indisponibilidade de bens do ex-prefeito Gilmar Machado

Em nota, Gilmar Machado destacou que a implantação do benefício foi feita de forma transparente.

O MGTV 2ª edição informou na noite de quinta-feira (11) que a 1ª Vara da Justiça Federal aceitou pedido de liminar do (MPF) Ministério Público Federal em ação contra o ex-prefeito de Uberlândia Gilmar Machado e determinou a indisponibilidade de bens em até R$ 455 mil dele e da secretaria de administração Lilian Machado de Sá e de quatro integrantes da Universidade Federal do Espírito Santo.

A ação refere-se à contratação do Plano de Cargos Carreiras e Salários da prefeitura de Uberlândia, realizado em maio de 2013 sem licitação no valor de R$ 716 mil. O MPF denuncia o ex-prefeito e os envolvidos na contratação por improbidade administrativa. A denúncia foi apresentada no dia 27 de março.

Por meio de nota à imprensa, o ex-prefeito Gilmar Machado informou que até a manhã de sexta-feira (12) não havia sido notificado oficialmente da decisão judicial. Ele acrescentou que tomou conhecimento da decisão pela imprensa. “Como o ex-presidente Lula já havia dito, infelizmente hoje a Justiça notifica primeiro a imprensa e depois os envolvidos”.

O ex-prefeito disse ainda que tão logo seja oficialmente notificado estará à disposição da Justiça para qualquer esclarecimento, como sempre esteve em outras ocasiões. “O Plano de Cargos e Carreiras foi elaborado por uma instituição séria contratada por dispensa de licitação, processo permitido por lei”, afirmou.

Na nota, Gilmar Machado destacou que a implantação do benefício foi feita de forma transparente e contou com a participação dos servidores por meio da Mesa Permanente de Negociações.

Texto: Leonardo Leal

Notícias relacionadas