Expresso Foco Saúde

Você sabe o que é alopecia frontal fribrosante?

avanço da linha anterior dos cabelos, com aumento do tamanho da testa e perda das costeletas em mulher.

Se você notar que a sobrancelha está ficando falha, irregular e apagada, e que a testa com o tempo está ficando maior e mais alta, isso é um sinal de alerta para procurar um especialista! Pode ser Alopecia Frontal Fibrosante.

O QUE É?

Descrita pela primeira vez em 1994, tem se tornado cada vez mais comum. É uma forma de perda de cabelos lentamente progressiva, que apresenta aumento da linha de implantação dos cabelos na testa, de forma permanente. É comum a perda de sobrancelhas, que pode ocorrer antes ou após a perda capilar. Alguns pacientes podem sentir coceira, dor ou ardor no couro cabeludo.

QUAL A CAUSA?

A causa ainda é um mistério. O fato de ter aparecido recentemente aumenta a possibilidade de envolvimento de fatores ambientais. Por ser uma doença prevalente em mulheres após a menopausa, especula-se que seja uma resposta às mudanças hormonais. Os pelos caem porque ocorre uma inflamação ao redor da raiz, destruindo os folículos pilosos e deixando uma cicatriz no local, onde não nascem mais fios.

COMO É A EVOLUÇÃO?

A falha pode progredir até a metade do couro cabeludo ou mais, porém, a progressão é variável de caso a caso. A doença é autolimitada, sendo estabilizada em um a dez anos, mas o grau de progressão antes da estabilização é imprevisível e, por isso, é muito importante o tratamento precoce para tentar bloquear o avanço da doença.

COMO DIAGNOSTICAR A DOENÇA?

O diagnóstico é realizado através da tricoscopia (análise do couro cabeludo e dos fios através de um aparelho) e, se necessário, confirmado por biópsia.

COMO É O TRATAMENTO?

Por seu caráter irreversível, o objetivo do tratamento deve ser o de evitar o progresso da doença. Quanto mais precoce o diagnóstico e o início do tratamento, maiores as chances de a doença estabilizar. Deve ser supervisionado por um médico especialista e consiste no uso de medicações orais, tópicas e até injetáveis para conter a inflamação.

Podem ser considerados também o uso de maquiagens cosméticas e camuflagens para melhorar o aspecto da área sem pelos, melhorando assim a autoestima do paciente.

DRA. THAÍS DE PAULA A. MESQUITA
Dermatologista
Av. Nicomedes Alves dos Santos, 1500 – Morada da Colina

Notícias relacionadas