Foco Música Rock

Como não falar e quem virá depois de Kid Vinil?

Foto: Izzy Massei

Anderson Tissa, autor da coluna “Vida Longa, Baby”.
Imagem: Douglas Luzz

Quem me conhece sabe o quanto gosto de rádio. Aprendi a ouvir desde muito cedo e nunca parei. Atualmente, devido ao meu gosto musical, ouço menos emissoras. Se você, assim como eu, ouve rock e não escutou Kid Vinil no rádio, perdeu a aula mais divertida sobre o gênero.

O cara sacava muito, PHD no assunto. Sua excelência misturada a sua personalidade docilmente provocativa e uma trilha sonora inquestionável eram os ingredientes necessários para se fazer um dos melhores programas de rádio que este país já teve.

Ouvia sempre. Ou na Rádio Brasil 2000 ou na Rádio Rock 89FM. Aprendi, curti e me divertir muito. Quem nunca ouviu deve procurar no YouTube, vale a pena. Pesquisei muito pouco sobre seu ex programa feito nos anos 80, o Programa do Kid Vinil, na antiga Rádio Excelsior. Nunca ouvi este, mas sei que foi um marco importante na história do punk paulistano. Ele tocava as músicas do estilo em seu horário, organizava e apresentava os eventos. Ajudou para caramba a difundir o punk no país.

O primeiro contato que tive com Kid foi ouvindo uma música de sua banda Magazine. A canção “Eu Sou Boy” era uma entre as 15 relacionadas numa coletânea de rock nacional dos anos 80. A letra ilustrava muito bem a minha realidade da época, pois eu trabalhava como office boy em uma clínica médica.

“Chega o fim do mês
Com toda aquela euforia
Todos ganham bem
Eu aquela mixaria
Sou boy, eu sou boy”

Cresci assistindo a entrevistas e ouvindo esse sujeito. Um cara com muita história para contar, um cara que criou muitas histórias para se contar. Foi sem nenhuma dúvida, uma figura marcante do nosso rock.

Infelizmente essas perdas vão se tornando cada vez mais frequentes e as novas gerações nascerão órfãs desses personagens. Este ano também perdemos Jerry Adriani. Muitos não sabem e até debocham, mas era um roqueiro (e dos bons) e muito admirado pelo pessoal do Cavern Club, aquela casa noturna onde os Beatles começaram a carreira. Se colocarmos na lista os artistas internacionais, se foram também Chris Cornel e a lenda Chuck Berry.

Não é desejando a morte de ninguém, mas é o processo natural, e pensando na idade avançada podemos perder em breve, Keith Richards, Ozzy Osbourne, Angus Young, o brasileiro mais legal do Twitter Serguei, entre outras figuraças. É muita gente boa partindo.

E quem está chegando?

Hoje compartilho com você uma playlist criada exatamente por Kid Vinil. São as suas favoritas. Vale a pena ouvir.

Texto: Anderson Tissa

Notícias relacionadas