Expresso Foco Internacional

Explosão após show de Ariana Grande deixa 19 mortos em Manchester

Foto: Reprodução Youtube

Uma explosão após show da cantora pop Ariana Grande em Manchester nesta segunda-feira (22) deixou 19 mortos e 50 feridos. A polícia investiga a ação como um ataque terrorista, embora ainda não haja confirmação oficial.
Segundo testemunhas, os dois estrondos foram ouvidos às 22h35 (18h35 em Brasília) quando a estrela terminava sua apresentação na Manchester Arena para 20 mil espectadores, em sua maioria crianças e adolescentes.

Ainda não há informações sobre quem seriam as vítimas. A cantora conseguiu se salvar. O Universal Media Group, dono da gravadora de Ariana Grande, disse que está “profundamente entristecido” com a tragédia.

A administração do espaço disse que a explosão foi do lado de fora. Vídeos nas redes sociais mostram o desespero dos espectadores deixando o ginásio às pressas e a chegada de policiais e ambulâncias ao local.

Em um deles, adolescentes gritam enquanto correm em meio a balões cor-de-rosa. “As luzes já estavam acesas então sabíamos que aquilo não era parte do show”, afirmou Erin McDougle, 20, ao jornal “The Guardian”.

“Veio o estrondo, depois a fumaça subindo pelos degraus e todo mundo estava gritando. Tinha umas 30 pessoas no chão, algumas delas que você podia perceber que tinham morrido”, disse a espectadora Kiera Dawber à CNN.

Do lado de fora, moradores dos prédios vizinhos desceram depois que ouviram a explosão. Alguns deles ofereceram suas casas para os espectadores que não conseguiram voltar devido ao fechamento do metrô de Manchester.

Taxistas também se ofereceram a fazer corridas de graça. Horas depois, a polícia fez a explosão controlada de uma bolsa suspeita encontrada na região da catedral da cidade, mas nela só havia roupas.

INVESTIGAÇÕES

Embora a polícia esteja tratando a ação como terrorismo, ainda não se sabe o que provocou a explosão ou possíveis autores. A rede de TV CNN afirma que os investigadores avaliam a possibilidade de ter sido um homem-bomba.
A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que as autoridades estão trabalhando para descobrir as causas da ação. “Todos os nossos pensamentos estão com as vítimas e as famílias daqueles que foram afetados”.

O presidente da Câmara de Vereadores de Manchester, Richard Leese, disse que, se confirmada a hipótese de ser um ataque terrorista, será inútil para abalar os moradores da cidade.

“Manchester é uma cidade orgulhosa e grande e não vamos permitir que aqueles que busquem a divisão e o medo consigam alcançar seus objetivos”, disse.

O Reino Unido está no segundo nível mais alto de alerta terrorista, indicando que um ataque é altamente provável. Em março, um homem matou três pessoas e feriu 40 após um atentado no Parlamento, em Londres.

TERROR NA EUROPA

Ataques recentes aos países do continente.

Paris (13.nov. 2015)
Uma sequência de ataques a bomba e com atiradores em várias partes da cidade deixa 130 mortos. Estado Islâmico reivindica autoria.

Bruxelas (22.mar.2016)
Três homens-bomba ligados ao EI se explodem no aeroporto e numa estação de metrô; 32 morrem.

Nice (14.jul.2016)
No Dia da Bastilha, em mais uma ação do EI, um atirador dirigindo um caminhão atropela uma multidão à beira-mar e mata 86.

Berlim (19.dez.2016)
Em ação semelhante à de Nice, motorista avança com um caminhão contra pedestres em um mercado de Natal; 12 são mortos.

Londres (22.mar.2017)
Um ano após os ataques de Bruxelas, um homem atropela pedestres na ponte Westminster e esfaqueia um policial na entrada do Parlamento; 5 morrem.

Estocolmo (7.abr.2017)
Novamente, um caminhão é usado para atropelar pedestres, em uma rua comercial, deixando 4 mortos.

Texto: Folha Press

Notícias relacionadas