Cidade Destaque Expresso

Ministério Público e Gaeco apuram contratação irregular de escritório de advocacia

Foto: Foto: Juarez Martins/Divulgação

O Ministério Público Estadual e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) de Uberlândia apuram a contratação irregular pelas prefeituras de Canápolis, Carmo do Paranaíba, Presidente Olegário de um escritório de advocacia de Uberlândia para serviços de compensação de créditos tributários.

A investigação faz parte da operação Isonomia. Sete mandados de busca e apreensão e um mandado de condução coercitiva foram cumpridos nas cidades citadas acima. Quatro pessoas foram autuadas em flagrante, duas por corrupção passiva, uma por corrupção ativa e uma por porte ilegal de arma de fogo.

De acordo com o MPE, as investigações apuram os crimes de organização criminosa, tráfico de influência e lavagem de dinheiro. O MPE apurou que as contratações não observavam a exigibilidade de licitação e resultavam de tráfico de influência de um escritório de advocacia de Uberlândia. Ainda segundo o MPE, os lucros das prestação de serviços eram divididos em 50% para cada um. Segundo o MPE, em alguns municípios o prefeito responsável pela contratação solicitava 20% do valor dos honorários.

A operação conta com a participação dos promotores Daniel Marotta, Adriano Bozola, Renata Santos e Luiz Henrique Borsari. Também participam 45 policiais militares e 12 viaturas.

A reportagem d’O JORNAL de Uberlândia tentou contato por telefone com o escritório investigado na operação Isonomia, mas as ligações não foram atendidas.

Texto: Leonardo Leal

Notícias relacionadas