Esportes Expresso Foco

Mestres formados pela UFU lançam livros com temática esportiva

Foto: Milton Santos

Aprovado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) em 2012 e com suas primeiras turmas constituídas no ano seguinte e diplomando os primeiros mestres já no segundo semestre de 2014, o Programa de Pós-Graduação em Tecnologias, Comunicação e Educação (PPGCE) oferece um mestrado profissional com duas linhas de pesquisa: “Tecnologias e Interfaces da Comunicação” (TIC) e “Mídias, Educação e Comunicação” (MEC). O programa é coordenado pela professora Adriana Cristina Omena dos Santos, que explica que a principal meta dele é o diálogo com o mundo do trabalho, desenvolvendo pesquisas e produtos que atendam a demandas ainda represadas.

Um dos pontos fortes que têm contribuído para o fortalecimento e a consolidação do PPGCE, vinculado à Faculdade de Educação (Faced), é o pioneirismo em várias vertentes. Neste sentido, uma das inovações deste mestrado que podem ser citadas é a temática “Comunicação Esportiva, jogos e tecnologias lúdicas”, oferecida dentro da linha de pesquisa TIC. Colegas de classe na segunda turma de Jornalismo da UFU, Deisiane Cabral e Lucas Martin, o Lucas Papel, também estudaram juntos na pós-graduação. Recentemente, eles foram os primeiros mestrandos que apresentaram às suas bancas produtos com temática esportiva.

Papel sempre quis trabalhar como profissional de jornalismo esportivo, tendo passado pela redação da Rádio Globo até, em agosto de 2015, assumir a função de setorista do Triângulo Mineiro no site GloboEsporte.com, onde permanece até hoje. Com trânsito fácil no meio do futebol, ele optou por desenvolver para o mestrado um livro-reportagem centrado em um personagem polêmico e com atuação sempre muito discutida neste esporte, o árbitro. “É uma figura em evidência e que quase invariavelmente vai parar nos debates dos programas esportivos e nas rodas de conversa entre amigos. Mas o que está por trás deste personagem? Como aquela pessoa foi parar ali? Qual é a origem desta função? São questões que me intrigavam e que eu achava interessante reunir numa mesma obra”, conta.

Lucas Papel e Deisiane Cabral estudaram juntos na graduação e no mestrado. Foto: Milton Santos

Segundo o autor, o livro-reportagem A Figura do Árbitro de Futebol no Brasil foi o fruto de um processo ao mesmo tempo difícil e prazeroso. “Não vou negar que cheguei a pensar em desistir devido ao cansaço que era muito grande, por ter que conciliar o meu trabalho com as pesquisas, entrevistas e transcrições. Por outro lado, foram tantas descobertas e histórias legais aparecendo à minha frente, que foi até difícil selecionar o que iria ser contado no livro e o que teria que ficar de fora. A grande verdade é que consegui material para vários livros”, brinca. O trabalho está à venda via internet, podendo ser adquirido na versão e-book ou na versão impressa.

Ao contrário do colega, Deisiane não tinha tanta afinidade com o jornalismo esportivo. Ela afirma que decidiu enveredar por este caminho no mestrado pela questão do desafio e que hoje comemora esta ousadia. “Gostava de assistir basquete basicamente pela televisão; nunca fui fanática e nem fazia questão de ir ao ginásio. De repente, me vi passando horas, dias, semanas e meses folheando aproximadamente 30 mil edições de jornais e fazendo pesquisas na internet para levantar a história deste esporte que teve momentos tão marcantes aqui em Uberlândia”, revela.

Deisiane: “História do basquete em Uberlândia merecia registro especial”. Foto: Milton Santos

O fato de não estar empregada durante boa parte do curso – foi aprovada em um concurso da UFU e ingressou como servidora da Instituição em novembro de 2016, já na reta final do mestrado – permitiu tamanha dedicação ao projeto. A receptividade de ex-jogadores da equipe da cidade e de outras pessoas que foram procuradas para entrevistas sobre o tema também colaboraram para a constituição de amplo material para embasar o trabalho acadêmico.

Moral da história: Deisiane decidiu mudar a ideia original e produzir não apenas um, mas dois livros. “Foi bem desgastante, porém valeu muito a pena. A cidade de Uberlândia é apaixonada por basquete e esta história merecia um registro especial. Tomara não tenha sido mesmo o fim. A minha torcida também é para que o time volte e escreva novas páginas para serem contadas em outras obras”, declara a autora, com ar esperançoso.

Estes trabalhos também estão disponíveis para comercialização via internet. O livro Ídolos do Basquete de Uberlândia é encontrado no site da Amazon, tanto em versão impressa como em e-book. Já A Bola Laranja do Triângulo Mineiro: A história do basquete de Uberlândia pode ser adquirido nos sites das livrarias Cultura e Asabeça. “Deste eu tenho exemplares à venda comigo também, de pronta-entrega”, brinca Deisiane.

Orientação

Tanto Lucas Papel quanto Deisiane Cabral tiveram como orientador no mestrado da Faced o professor Rafael Duarte Oliveira Venancio. Em um depoimento publicado em seu perfil no Facebook, à época das apresentações dos trabalhos às bancas avaliadoras, ele relatou sua felicidade com aquele momento: “Quando eu era moleque, com meus 15 anos, e lia Armando Nogueira, Mário Filho, Nelson Rodrigues, Thomaz Mazzoni, eu ficava sonhando quando eu escreveria os meus livros… Depois, na universidade quando estudava pra ser jornalista, tive a vontade de ajudar, de alguma forma, as pessoas a também fazerem parte dessa tradição literária esportiva do Brasil (…) Os três livros-reportagem (dois de Deisiane e um de Lucas) são a prova mais contundente de que o jornalismo esportivo é uma das nossas tradições narrativas mais vívidas e que temos que defendê-la, ampliá-la e aprimorá-la.”

Texto: Ascom UFU

Notícias relacionadas