Comportamento Expresso Foco

Jogos Virtuais: heróis ou vilões no desenvolvimento da criança?

Foto: Pixabay

Atualmente os jogos virtuais têm feito parte da vida de muitas crianças e jovens, e o que está tomando conta dos jogadores é o Minecraft. Ele é um jogo basicamente feito de blocos, tendo as paisagens. A maioria dos objetos é criada pelos jogadores, permitindo-se que eles sejam removidos e recolocados em outros lugares para criar construções, empilhando-os ou mesmo sendo destruídos.

Aparentemente um jogo bem simples e com um design gráfico distante da perfeição dos jogos de corrida ou de esporte mais utilizados pelas crianças em outras épocas. Isso porque, um ano atrás, tornou-se o segundo jogo mais vendido do mundo, com 100 milhões de vendas.

E como o jogo mais famoso dos últimos tempos, que tem feito a alegria das crianças, pode ser uma dor de cabeça para os Pais?

Nos últimos meses a procura de Pais com dúvidas sobre o uso da tecnologia tem aumentado bastante e o Minecraft é sempre citado, por ser muito utilizado pelos pequenos. A questão central é como os Pais podem utilizar o jogo para desenvolver competências digitais e emocionais nos filhos.

Os jogos eletrônicos geralmente são vistos como vilões porque prendem a atenção das crianças, fazendo com que elas queiram jogar várias horas por dia. Entretanto, precisamos ir um pouco além nessa análise e perceber o papel dos Pais nessa situação.

Nós estamos ligados à tecnologia em todos os momentos; seja em casa ou no trabalho, os celulares nos acompanham diariamente com cada vez mais funções e podem ser utilizados para nos poupar tempo, ou para serem consumidos de forma inadequada.

A escolha está sempre na nossa mão e o fato de termos algo que nos torna refém disso. Quando isso está acontecendo é porque algo nos falta e estamos suprimindo de outra forma, talvez mais prática e confortável, mas que trará problemas no futuro.

Isso ocorre tanto nos Pais quanto nas crianças. Precisamos recordar duas premissas básicas nessa relação com os filhos. A primeira é que somente podemos dar aquilo que nós temos e a segunda é que as crianças aprendem aquilo que elas vivenciam com os Pais ou responsáveis.

Então, se conseguimos utilizar a tecnologia para nos poupar tempo para aproveitar mais de outros aspectos ou situações da nossa vida, iremos passar isso para os nossos filhos. Assim como podemos aproveitar os momentos em que estão jogando. Você já jogou uma partida com seu filho? Experimente e irá compartilhar um momento único.

Além disso, no caso do Minecraft ou de qualquer outro jogo, temos o papel de verificar e entender quais os aspectos negativos (por exemplo: jogos de luta e violência) e positivos de cada um. Se temos crianças em idade de formação da personalidade, entre quatro e seis anos de idade, a nossa busca deve ser por jogos que passem conceitos positivos como: criatividade, espírito de equipe, raciocínio lógico, entre outros.

Atualmente, vários jogos já são utilizados por diversas escolas para desenvolvimento cognitivo das crianças, com atividades que vão além daquelas oferecidas de forma tradicional. Ou seja, sabendo utilizá-los, os jogos podem contribuir e muito para potencializar as competências, além de propiciar divertidos momentos em família.

Leonardo Veloso
Coach, KidCoach, Advanced PNL
Autor do Blog de Pai Pra Pais

Notícias relacionadas