Cultura Expresso Foco

“Causos” da nossa terra: medicina centenária

Foto: Divulgação

Antes da chegada do primeiro médico a Uberabinha, a medicina era exercida por farmacêuticos práticos ou provisionados e curandeiros. Quando a coisa apertava, levava-se o doente para Uberaba ou trazia-se de lá o facultativo. O primeiro farmacêutico foi o prático Miguel Jacintho de Mello, que se instalou em 1850. O primeiro médico foi o dr. Carlos Gabaglia, que chegou em 1895. O povo de Uberabinha queria contratar um médico. O dr. Gabaglia queria seis contos e seiscentos por um ano. A população se cotizou e levantou só cinco e seiscentos. A Câmara Municipal completou com uma promissória.

Depois que o Gabaglia foi embora, chegou, pela Mogiana, o dr. Raphael Rinaldi, italiano. Extremamente bondoso e dono de uma personalidade curiosa, o dr. Rinaldi foi uma marca histórica. Não cobrava. Deixava que seus clientes pagassem o quanto quisessem e como quisessem. Eram galinhas, ovos, leitões, cestas de verduras, quitandas etc. Para equilibrar o orçamento, fabricava massa de tomates e queijos, que mandava para São Paulo. Foi o primeiro a receitar e aplicar injeções – que o povo relutava em tomar. Convivia com os curandeiros e farmacêuticos que receitavam, sem desavenças. Pelo contrário, orientava-os. Depois chegaram os drs. Oliveira Martins e Almeida Couto. Devagarinho chegam outros e se formam os primeiros que eram daqui: Olavo Ribeiro, que morava aqui, e Antônio Marques da Silva, nascido aqui.

Em 1945, médicos da Santa Casa de Misericórdia idealizaram e fundaram a Sociedade Médica de Uberlândia – SMU. Daí para cá a medicina local se desenvolveu, recebendo grande impulso em 1968, quando a Escola de Medicina e Cirurgia de Uberlândia começou a funcionar.

Texto: Antônio Pereira

Notícias relacionadas