Cidade Destaque Expresso

15 policiais rodoviários são presos em operação da PF, PRF e CGU

Foto: Leonardo Leal

Quinze policias rodoviários federais das unidades operacionais de Uberlândia, Araguari e Monte Alegre e quatro empresários foram presos na manhã desta quinta-feira (22), em operação deflagrada pela PF (Polícia Federal), PRF (Polícia Rodoviária Federal) e CGU (Controladoria Geral da União). Os policiais são suspeitos de corrupção contra usuários da rodovia com auxílio dos empresários.

De acordo com a PF, os acusados solicitavam propina de cidadãos que transitavam de forma irregular, deixando de lavrar autos de infração e demais sanções administrativas. Já os empresários obtinham vantagens na relação com os acusados, tendo prioridade para atendimento de acidentes e ocorrências.

A Corregedoria da Polícia Rodoviária Federal iniciou levantamento em 2016 que levou à instauração de inquérito pela PF. A Controladoria Geral da União participou da análise da movimentação financeira e evolução patrimonial dos acusados e da relação deles com outras pessoas físicas e jurídicas. Também forneceu o levantamento dos indícios de ilícitos administrativos.

Foto: Leonardo Leal

Ao todo foram cumpridos 19 mandados de prisão preventiva e 33 mandados de busca e apreensão. Os mandados foram cumpridos por uma força tarefa de cerca de 200 policiais, sendo 140 da PRF, 60 da PF e sete auditores da CGU nas cidades de Uberlândia, Canápolis, Monte Alegre, Itumbiara, Araguari, Centralina e Delfinópolis.

Os presos foram levados à Polícia Federal de Uberlândia e indiciados pelos crimes de corrupção passiva e associação criminosa com penas de até 15 anos de reclusão. Em seguida, os policiais serão levados para Belo Horizonte, onde ficarão presos por tempo indeterminado.

Em nota à imprensa, a Polícia Rodoviária Federal informou que não tolera qualquer desvio de conduta de servidores de seus quadros. “Ressaltamos o intenso trabalho que vem sendo conduzido pela nossa área correcional, seja preventivo ou repressivo, buscando conscientizar os servidores de que não há espaço para os desvios de conduta em nossa Instituição.”

“Temos, sistematicamente, atuado na prevenção e repressão ao desvio de conduta, seja em trabalhos internos ou em conjunto com outros órgãos de persecução, no entendimento de que o aperfeiçoamento do trabalho correcional fortalece a imagem da instituição.”

Texto: Leonardo Leal

Notícias relacionadas