Economia Expresso Foco

Empreendedorismo e Politica

Hélio Mendes é professor e consultor de Planejamento Estratégico e Gestão. Foto: Divulgação

Há conceito para todos os gostos, de A a Z. Alguns chegam a comparar o empreendedor ao “super-homem”, e depositam a este ser milenar todos os adjetivos que vêm à cabeça na hora de explicar a atividade e o responsável.

Mas é importante desmistificar isso, sem tirar o mérito dos empreendedores, até para incentivar quem está iniciando, seja na atividade pública ou privada: em todas as atividades há necessidade de um empreendedor.

O que caracteriza um empreendedor é que ele sabe transformar ameaças em oportunidades. Ele não tem receio de tomar decisões, faz o que deve e na hora certa.

Até pouco tempo consideramos como sendo empreendedor aquele que abria uma empresa. Na verdade, um empresário pode não ser considerado um empreendedor, mas apenas um mero empresário, alguém que abriu, comprou ou herdou uma empresa.

A atividade de empreender tem sido ampliada, com a necessidade de ter uma visão mundializada, responsabilidade com meio ambiente e com o social. E, no Brasil, por incompetência da classe política, os empresários vão ter que participar de forma mais forte e objetiva desta atividade. Isso porque, no ambiente das organizações, a atividade política tem tanta importância como a econômica e a tecnológica. Não podemos deixar o barco à deriva como tem ficado, principalmente quando os empresários são os que mais contribuem com os financiamentos das campanhas.

Se ser empreendedor é transformar problemas em oportunidade, estes estão com uma grande: fazer com que o país escolha em 2018 um congresso que represente de forma séria e justa um país que tem tudo para ser uma grande potência no contexto mundial. O que pode e deve ser feito com idéias e ações. No meio empresarial a maior parte vive em cima do muro. Estes, além de não ajudar, atrapalham.

Para mudar, o Brasil vai precisar de sentimento de brasilidade, coragem e trabalho – com que o empreendedor de fato tem condições de contribuir muito.

Mas é importante registrar que, para participar da atividade política na grandeza necessária, é preciso se preparar, porque muitos confundem ”bule de pôr café, com padre de pouca fé”. A política é uma ciência, se está do jeito que está, tem sido por falta e preparo ou por malandragem.

Texto: Hélio Mendes
Prof. e Consultor de Planejamento Estratégico e Gestão.

Notícias relacionadas