Cultura Expresso Foco

“Causos” de nossa terra: a coluna suicida

Foto: Divulgação

Fins de outubro de 1930.

O canhão fabricado nas Oficinas Crosara já dera alguns tiros, assustando as forças goianas postadas do outro lado da Ponte Afonso Pena. A rapaziada uberlandense estava entusiasmada, doida para invadir o Estado vizinho. As forças arranchadas nas extremidades da ponte tinham os seguintes objetivos: os goianos queriam unir-se aos seus aliados paulistas; os mineiros queriam impedir isso. Se, da parte dos mineiros, bastava-lhes ficar do lado de cá da ponte na expectativa da iniciativa invasora dos goianos, do lado goiano aguardava-se o melhor momento de entrar e cruzar o Triângulo. O desenvolvimento das ações, no entanto, apontava para uma situação mais cômoda e mais perto da vitória para os mineiros. Os triangulinos desistiram de apenas esperar e inverteram as metas: resolveram entrar em Goiás, invadir Itumbiara e prender os militares goianos. Nossos jovens soldados se juntaram, aguardando a decisão do comando sobre essa nova meta. Os oficiais estavam numa sala reunidos, ultimando decisões. O tenente Villas Boas levou a decisão aos soldados: o comando pretendia tomar a ponte e invadir Itumbiara. A ponte era estreita e não oferecia segurança. Ele precisava de vinte que fariam a cobertura do resto da tropa com o próprio corpo e a vida. Tão logo terminasse a saraivada de balas disparadas pela metralhadora goiana, antes do segundo pente, o resto das tropas estaria em cima dos inimigos. Os vinte primeiros possivelmente estariam mortos! O comando suicida seria do tenente Antônio Freire Netto. Mal Villas Boas pediu a apresentação de vinte heróis voluntários, cem deram um passo à frente! As moças do Batalhão Feminino caíram em lágrimas. Os próprios oficiais se surpreenderam com a disposição dos jovens triangulinos.

A proteção divina, entretanto, jogou seu manto de misericórdia sobre aqueles abnegados soldados. Antes da ação, chegou um comunicado do comando central mineiro suspendendo os combates. As forças revolucionárias tinham vencido a peleja.

Não demorou nada e os soldados mineiros entraram em Goiás e assumiram o governo de Itumbiara sem tiros, nem mortes.

Fontes: Diário da Revolução, dr. Jacy de Assis.
Texto: Antônio Pereira

Notícias relacionadas