Destaque Economia Expresso

Nacionalidade? Brasileira! Ainda com esperança!

Sebastião Barbosa e Silva Junior, advogado. Foto: Divulgação

Agora chega! Ninguém aguenta mais falar de crise financeira, corrupção e tantos outros problemas, isso vem transformando o Brasil no país dos desmotivados.

O Ser Humano precisa ter entusiasmo e alegria em viver, são energias contagiantes que movimentam a esperança e geram harmonia social.

É urgente mudarmos esse quadro doentio que nossa população vem sofrendo, em sua maioria provocado por algumas centenas de políticos corruptos, ministros da Justiça (injustos), empresários desonestos e outros criminosos organizados.

Milhões “pagando um altíssimo preço” pela maldade de poucos.

Pode estar se alastrando uma doença, com risco de verdadeira epidemia; os sintomas são:

• tristeza ou mau humor na maior parte do dia, ou quase todos os dias;
• perda de prazer nas atividades que antes eram agradáveis;
• grande mudança em peso (ganho ou perda de mais de 5% do peso dentro de um mês);
• perda ou aumento do apetite;
• insônia ou sono excessivo quase todos os dias;
• inquietação;
• fadiga ou perda de energia quase todos os dias;
• sentimentos de desesperança, inutilidade ou culpa excessiva quase todos os dias;
• problemas de concentração, que ocorrem quase todos os dias.

Se você conhece alguém com as características acima, saiba que ele pode ser um portador de distimia e que, no Brasil, existem de 5 a 11 milhões de pessoas que sofrem desse mal! Elas são 3 a 6% por cento da população no mundo! De cada 100 pacientes atendidos nos postos de saúde, 7 provavelmente têm distimia.

Apesar dos sintomas menos acentuados, a distimia é um transtorno que acarreta um prejuízo pessoal muito importante. Não só do ponto de vista das relações pessoais, mas no plano econômico, também!

Em geral, essas pessoas têm poucas relações, poucas amizades e concentram suas atividades quase que exclusivamente no trabalho, seja ele um emprego formal ou não. Isso porque é na situação de trabalho que as funções e a forma de o indivíduo se comportar são mais bem definidos, facilitando sua atuação.

Apesar de toda essa “dedicação”, seu desempenho profissional é, em geral, mediano, e muitas vezes insatisfatório para o próprio indivíduo, pois ele carrega consigo um peso, uma falta de vitalidade, de criatividade e de dinamismo que o prejudica em todos os lados.

Essas afirmações médicas foram apresentadas pelo dr. Adriano Persone Prestes de Camargo – mestre em Psiquiatria pela FMUSP e pela dra. Belquiz Avrichir – médica assistente do IPQ-HC, publicadas pela Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (ABRATA).

Observem que é um problema que afeta a saúde, que afeta a economia; por conseguinte, afeta a saúde e, assim, vira uma verdadeira mandala – no popular: o cachorro correndo atrás do rabo. Nesse ciclo vicioso tudo tende a piorar.

Sair dessa ciranda negativa exige novas atitudes, como, por exemplo:

• não perder a esperança de que existem pessoas boas;
• exercer sua fé em Deus – dentro de sua convicção de crença, todos os dias;
• acreditar que é possível, sim, realizar sonhos e projetos, todos os dias;
• confiar num futuro melhor, todos os dias;
• abandonar os maus pensamentos;
• viver em paz consigo – independentemente dos conflitos externos;
• apoiar-se no diálogo com a família, todos os dias.
São meras sugestões, a motivação é um fenômeno pessoal, temporal e singular.

De um jeito ou de outro, está na hora de entrarmos em ação e provocar mudanças, não é possível mais viver mal-humorado e desesperançado.

Assim, quando solicitarem sua identificação e perguntarem: nacionalidade? Responda: brasileira. Acrescente: ainda com esperança!

Texto: Sebastião Barbosa e Silva Junior
Advogado Empresarial

Confira toda terça-feira novos artigos do colunista Sebastião Barbosa e Silva Junior.

Leia o artigo anterior do colunista Sebastião Barbosa e Silva Junior

Notícias relacionadas