Nacional

Governo cogita deixar para agosto votação de denúncia contra Temer

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Com medo de não conseguir 342 deputados presentes para abrir a sessão no plenário da Câmara nesta sexta-feira (14), o governo cogita deixar a votação da denúncia contra Michel Temer para agosto, depois do recesso parlamentar.

Vice-líder do governo, o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), disse que “é possível” que se adie a votação. Ele atribui o revés à oposição, que, segundo ele, está esvaziando a Casa.

“É possível [que a votação aconteça só em agosto]. Não está fechado, mas é possível. A responsabilidade é da oposição. Ela está liberando seus deputados [para irem embora e não votarem em plenário]. A oposição foge do voto”, afirmou Perondi.

Integrante da tropa de choque do governo, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) disse à reportagem que o governo ainda está “avaliando”, mas que não há uma decisão tomada.

Marun está reunido neste momento com os líderes do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e com o líder do PMDB na Casa, Baleia Rossi (SP), justamente tratando do assunto.

Já era esperado que a oposição não desse quórum na sessão plenária. Caberia ao governo garantir que seus deputados comparecessem para que a votação tivesse início.

A ideia inicial do governo era votar a denúncia em plenário nesta sexta-feira para evitar que o desgaste de Temer se arrastasse ao longo do recesso parlamentar, que começa nesta terça-feira (18).

Mais cedo, deputados da base governista na CCJ abriram mão de se pronunciar sobre a admissibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer para acelerar a sessão. Há 19 inscritos para falar, todos em defesa do parecer do relator, Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que pediu a aceitação da denúncia contra o presidente.

O governo havia orientado a base a não se inscrever e a retirar assinaturas para acelerar a tramitação.

Texto: DANIEL CARVALHO E LUIZA FRANCO

Notícias relacionadas