Editorial Expresso Foco

Um sonho de muitos sobre Uberlândia

Foto: Divulgação

Um sonho de muitos: que um prefeito de Uberlândia revitalizasse o centro da cidade. Neste sonho, o Centro iria se tornar um grande bulevar, um calçadão que começava no Fundinho e terminava na Praça Tubal Vilela, sem veículos, um centro para as pessoas, com floreiras, bancos, iluminação especial, segurança, músicos tocando, um local para todas as idades, onde os ônibus e os carros circulariam em ruas paralelas. Um centro como existe na cidade de Curitiba, em Paris, em Barcelona. Onde a urbanização chegou de fato. “Um shopping a céu aberto.”

Ah, estávamos esquecendo. Neste sonho, a Rua Santos Dumont, entre Afonso Pena e Floriano, também era um calçadão, e o comércio funcionava 24 horas. E o Fundinho, neste sonho, recebia uma nova biblioteca, com o marco da cidade no centro do prédio, iluminado por uma claraboia; e as ruas do bairro teriam dois nomes, o atual e o histórico, buscando preservar a sua história.

As caixas d’água que estão em frente ao Juca Ribeiro tornavam-se uma praça, sendo elas a principal atração, pela sua história. E esse conjunto se tornava, com outros imóveis, um circuito de turismo da cidade.

É bom lembrar que esse projeto existiu, o da revitalização do Centro, na época do governo do Sr. Virgílio Galassi, elaborado pela equipe do urbanista Jaime Lerner e por equipe local. Foi aprovado junto com o sistema integrado de ônibus, porém, não aconteceu. Mas o sonho foi de fato do prefeito da época, um visionário empreendedor, como poucos.

O Centro precisa ser revitalizado, as principais entidades têm reivindicado. Hoje o Centro não é compatível com o que cidade representa, mas qualquer mudança incomoda. Para revitalizá-lo de fato, será necessário contrariar interesses. Uma das lições deixadas pelo ex-secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert McNamara, é que “para fazer o bem, talvez seja preciso fazer o mal”. É importante destacar que a cidade é um “organismo vivo”, pela relação de seus habitantes. Temos que sentir esse pulsar. A nova cultura é de mudança, o Centro também terá que mudar. Pode ser esta a marca ou uma das marcas de algum prefeito.

Editorial O JORNAL

Notícias relacionadas

3 comments

  1. Concordo totalmente com a idea do centro revigorado, cuidar do belo património que vocês tem alí. Eu me lembro que não muito tempo um dos teatros que foram localizados lá foi demolido, e minha percepção foi encontrar o silêncio da cidade que aparentemente não sentiu a perda de sua própria história. O melhor exemplo que mostra a necessidade de rejuvenescer-lo é com o sucesso da passada feria de antiguidades, lá na praça municipal.

  2. Calçadão na Afonso Penna, da Tubal Vilela até o Terminal central. Os carros passariam no tunel embaixo do calçadão. O UTC seria todo derrubado, pra que a Getulio Vargas chegasse na Praça Sergio Pacheco. O terminal ampliado até a praça sergio pacheco. E as estaços BRT distribuidas na Anselmo revitaliza e tambem na Getulio Vargas. Na Nicomedes, próximo ao Cajuba, Um belo Obelisco. Um autodromo atras do Caça e Pesca, novo grande terminal de passageiros no Aeroporto e uma grande nova rodoviaria, no Jdm Patricia as margens da 365. Com esses nossos vereadores e deputados atuais??? Duvido.

  3. Passou da hora, e,também colocar horários para trânsito de caminhões no centro

Comments are closed.