Editorial Expresso

Congresso Internacional em Uberlândia

Foto: Divulgação

No dia 12 de julho, O JORNAL esteve presente ao lançamento do Congresso Internacional de Tecnologia, Inovação, Empreendedorismo e Sustentabilidade. Com um número significativo de participantes, com dois palestrantes que hipnotizaram a plateia, apresentando um novo capítulo da história, a indústria 4.0, que cresce a passos rápidos nas economias centrais – enquanto nos países periféricos, onde estamos, a elite política agora que conseguiu aprovar uma reforma trabalhista criada em 1943, onde o ensino virou comércio e o Ministério da Cultura, um dinossauro, já há algum tempo utilizado como moeda de troca para atender a um fisiologismo que envergonha as pessoas sérias do País.

O Brasil tem mais sindicatos, escolas de Direito e conflitos trabalhistas que o resto do mundo. Para não falar que a elite política recebeu medalha de ouro por criar a maior corrupção da história mundial. O Congresso e a Suprema Corte se tornaram um teatro e os brasileiros, na maioria, não estão indiferentes: não estão indo para as ruas, mas para as estradas de alta velocidade, que são as redes sociais.

Infelizmente não podemos escrever nada neste momento, sem registrar a nossa indignação com o cenário político e econômico.

Mas, voltando ao tema, a reunião no auditório da FIEMG nos mostrou que há uma raia fora da política, onde quem trabalha ou estuda de fato está seguindo em frente. Enquanto alguém está buscando propina, existem os que estão buscando conhecimento e construindo um país melhor.

A prova concreta está no congresso que será realizado nos dias 9 e 10 de agosto na Granja Marileusa, para o qual há uma expectativa de três mil participantes e 150 palestrantes, discutindo temas que hoje são responsáveis por oxigenar a economia mundial. Considerada a quarta revolução industrial – sendo a primeira no século 18, com o motor a vapor e o tear mecânico; a segunda, energia elétrica e produção em massa no início do século 20; a terceira, após a Segunda Guerra Mundial, com o computador; e a quarta, com as mudanças sociais pela tecnologia digital interconectada, para a qual Henning Kagermann, chefe da Academia de Ciências e Engenharia alemã, usou a expressão “Indústria 4.0” a fim de descrever uma proposta de iniciativa industrial patrocinada pelo governo do país. Essa expressão refere-se à combinação de várias tecnologias digitais, que integram o mundo físico ao virtual.

Acreditamos que este será um marco na história de Uberlândia, é tudo que precisamos nesta época de escuridão, são empresários e estudantes discutindo durante dois dias, assistindo a cases de sucesso, práticas que chegaram para melhorar a vida do ser humano. O JORNAL de Uberlândia é um dos frutos da revolução 4.0!

 

Editorial  O JORNAL

Notícias relacionadas