Destaque Expresso Política

Contratação do escritório de advocacia pela prefeitura volta a gerar debates no Legislativo

Nesta sexta-feira (11), a contratação do escritório de advocacia, sem licitação pela prefeitura de Uberlândia no valor de R$ 400.500,00 voltou a ser assunto no Legislativo da cidade. Uma vez que o tema foi suscitado depois da visita do deputado Arnaldo Silva à Câmara dos Vereadores na semana passada. Após a recomendação do MPE (Ministério Público Estadual) da rescisão do contrato da prefeitura e do Dmae (Departamento Municipal de Água e Esgoto), cinco vereadores apresentaram ofício ao MPE solicitando a suspensão dos pagamentos, enquanto estiver em análise pela comissão. O JORNAL de Uberlândia ouviu dois vereadores sobre o assunto. Leia abaixo o posicionamento deles:

Fotos: Marlúcio Ferreira

Vereador Adriano Zago

“Acredito que a suspensão dos pagamentos é uma medida razoável considerando que o próprio Ministério Público recomendou à prefeitura e ao Dmae (Departamento Municipal de Água e Esgoto) a rescisão deste contrato.

“A prefeitura, por sua vez, instituiu uma comissão para analisar esta recomendação, ocorre que o prazo que ela instituiu pode vencer o contrato. Então, nós pedimos enquanto a comissão analisa esta recomendação que os pagamentos sejam suspensos, tanto da prefeitura quanto do Dmae.

“O deputado Arnaldo Silva é sempre bem vindo, mas ele fugiu do objeto do qual ele veio aqui que era prestar contas. E isso tem repercutido durante as sessões desse mês. Ele em determinados momentos afrontou a Câmara Municipal dizendo que não estávamos cumprindo com o nosso papel fiscalizador. Dia a dia, nós temos respondido a ele, o que temos feito”.

 

Fotos: Marlúcio Ferreira

Antônio Carrijo

“O prefeito Odelmo desde seus governos anteriores, sempre tem sido um governo sério e honesto, e continua da mesma forma. Esse escritório prestou serviços para o governo nos mandatos anteriores. Então, tudo o que o Odelmo faz é de acordo com a lei, com respeito às instituições. Nunca desrespeitou o poder Judiciário e o Ministério Público. Nunca desrespeitou o poder Legislativo.

“Quando o prefeito escolhe uma comissão, ele escolhe com competência. É lógico que lá se faz as coisas corretamente. O prefeito sempre vai cumprir o que a lei manda. O que a lei mandar ele vai cumprir. Isso sempre foi pautado pela ética, como deputado e como prefeito de Uberlândia”.

 

 

Texto: Leonardo Leal

Notícias relacionadas