Cidade Expresso Foco

Governo de Minas atrasa segunda parcela do pagamento dos salários dos funcionários

Foto: Pixabay

O Governo de Minas Gerais não fez os pagamentos da segunda parcela dos salários dos servidores estaduais programada para quarta-feira (23). Na quinta-feira (24), o governador Fernando Pimentel se reuniu com representantes do Legislativo e Judiciário em busca de encontrar uma solução dos atrasos, mas não apresentou nenhuma data.

Em sua página no Facebook, Pimentel disse que o atraso se deve à crise que afeta os Estados brasileiros. “No último dia 11, cerca de 75% dos servidores receberam integralmente o salário referente a julho. Por uma questão de fluxo de caixa e diminuição dos repasses do governo federal a Minas Gerais, não foi possível efetuar na quarta-feira (23), o pagamento da segunda parcela dos salários.”

Ele disse ainda que se reuniu com o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado Adalclever Lopes, com o presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, desembargador Herbert Carneiro, com o procurador-geral de Justiça de Minas Gerais, Antônio Sérgio Tonet, com o subsecretário do Tesouro Estadual, Paulo Duarte, e com o secretário de Estado de Governo, Odair Cunha. “Discutimos alternativas com o intuito de realizar o mais rápido possível os depósitos pendentes. Farei toda a mobilização necessária para solucionar essa questão”, afirmou.

O deputado Gustavo Valadares criticou a falta de comprometimento do governo. Em junho, os servidores aposentados não receberam em dia a segunda parcela de seus vencimentos, e, em maio, a última parcela de todo o funcionalismo público foi paga com um dia de atraso. “Esse drama dos servidores já se encaminha para completar dois anos. Não é possível o governo ser tão insensível a ponto de não só parcelar os salários, mas, pior, atrasar ainda um pagamento que já está em atraso. Os servidores estão reféns de um calendário que só existe para inglês ver”, afirmou Valadares.

Para o vereador de Uberlândia Doca Mastroiano do PR. “A oposição na Assembleia Legislativa de Minas Gerais afirma que o governo está quebrado, mas está quebrado por falta de administrador, o PT não deu conta de governar o Estado. O governador está mandando verba para os prefeitos que ele quer. Ele deveria priorizar, igual ao governo municipal, o funcionário público. Pagar quem trabalha, fornecedores e empresas deveriam estar em segundo plano. O governo de Minas faz ao contrário, paga primeiro as empresas”, afirmou.

Texto: Leonardo Leal

Notícias relacionadas