Entrevista Expresso

Entrevista com Abelardo Penna à presidência do UEC

Abelardo Penna aposta em austeridade, transparência e trabalho com as categorias de base

Foto: Divulgação

Abelardo Penna é o candidato da Chapa “Novo UEC”. Médico ortopedista formado pela UFU (Universidade Federal de Uberlândia), com residência médica em Ortopedia e Traumatologia pela mesma instituição, Penna tem pós-graduação em Cirurgia do Joelho e Medicina do Esporte pela Universidade de Pittsburgh, na Pensilvânia, Estados Unidos.

Membro de várias sociedades de Cirurgia do Joelho e Medicina do Esporte, Penna começou a trabalhar no UEC (Uberlândia Esporte Clube) quando cursava o 4º ano de Medicina. Na época, a convite do médico do clube, Rofles Cecílio.

Entre idas e vindas, Penna afirmou ter trabalhado no clube por cerca de 30 anos. Foi conselheiro por duas gestões, diretor do departamento Médico e médico ao mesmo tempo. Leia abaixo a entrevista que ele concedeu a O JORNAL de Uberlândia.

Por que o senhor se candidatou à presidência do UEC?

Há cerca de três anos, definimos, na oportunidade da outra eleição, ventilamos a hipótese de lançar uma chapa. Mas não havia tempo hábil para montar o conjunto de 84 pessoas necessárias para se inscrever uma chapa, segundo o estatuto do UEC.

Naquela época não foi possível e nós fomos amadurecendo a ideia durante esses três anos: eu, o Ênio, o Fernando Lima também fazia parte, depois foi chegando o Ramon, depois o David Thomas.

Agora por último o Luiz Martins, que devo fazer uma ressalva que há três anos, também, nós conversávamos sobre isso e depois ele ficou com a chapa da situação. Eu não fiquei e nós perdemos um pouco o contato.

Por força do destino, estamos juntos novamente. Então, o Luiz veio para somar bastante com o nosso grupo e está apostando na ideia, nas pessoas, na seriedade de cada um e está compondo com a gente.

Na sua avaliação, como está o UEC hoje?

O clube está bem, foi saneado desde a gestão do Everton, quando o Juca Ribeiro foi a leilão. Tinha uma pessoa já com cheque para arrematar. Então, o grupo reuniu e salvou ali o patrimônio do Uberlândia Esporte. Fizeram um ótimo trabalho durante esse período. O clube está no Campeonato Mineiro da Primeira Divisão, agora na Série D do Brasileiro.

Acredito que tem que buscar novos caminhos, novas ideias. Acho que tem que ter oportunidade para outro grupo, outras pessoas implantarem suas ideias e contribuir com o clube.

Quais as principais propostas da Chapa “Novo UEC”?

As propostas do nosso grupo estão pautadas na austeridade do clube. Ou seja, reduzir os gastos. Gastar o dinheiro de forma correta, não que lá não esteja gastando de forma correta, mesmo porque eu não sei onde estão sendo colocados os valores.

Uma transparência muito grande, com compliance do Financeiro do UEC, para que você possa trazer credibilidade e consequentemente patrocinadores que confiam nesse grupo que nós estamos compondo. Que possam confiar e saber onde estão colocando o dinheiro deles. Esse é o foco nosso: ter uma gestão financeira com profissionais habilitados, contratados.

Também fazer uma gestão de base, de marketing e de futebol. Os quatro pilares que se deve focar. Esses são os pontos principais da nossa gestão. Logicamente cada um desses tem suas várias ramificações.

A categoria de base sustenta qualquer clube. O UEC hoje não tem uma categoria de base constante. Ela começa e termina. Nós pretendemos fazer uma categoria de base, desde a tenra idade até o alto rendimento, para colher frutos a médio e longo prazos.

A importância da transparência do clube na questão financeira que hoje você não tem. Qualquer empresa que for buscada para patrocinar vai pedir o compliance da empresa. Sem isso, ela não investe. Isso é extremamente importante.

Quais os apoios da sua candidatura?

Temos o apoio dos nossos conselheiros e de outros conselheiros que não fizeram parte nominalmente da chapa. De 30 a 40 conselheiros que são apoiadores nossos, continuam sendo pessoas que vão nos apoiar e vão dar sua opinião, com certeza.

O nosso grupo conta com o Ramon Bucci como primeiro vice-presidente e o Fernando Luiz Lima, segundo vice-presidente. Nós temos como candidato à presidência do Conselho Deliberativo o David Thomaz e o Luiz Martins como vice-presidente.

É importante ressaltar que o doutor Fernando Moraes é o nosso presidente do Conselho Fiscal. O nome da nossa chapa chama-se Conselho Fiscal Forte, encabeçado pelo doutor Fernando Moraes. Para que nós possamos eleger tanto o Conselho Fiscal como o Conselho Deliberativo e a Chapa Executiva.

Caso seja eleito, quais serão as ações como presidente nos primeiros dias?

Vamos ter um período de transição em que o atual presidente, Guto Braga, vai nos passar a situação do clube, questão de contratação de jogadores, pré-contrato que estão fazendo. O nosso grupo vai avaliar dentre esses jogadores quem são os que nos interessam; assim como o treinador, o próprio Fabrício Tavares, que é o diretor de futebol hoje, que está fazendo as contratações.

Vamos conversar, escutar o que eles têm a dizer, quais as pretensões, os planos. Enfim, se caminhar da mesma forma que o nosso grupo, continuaremos com o apoio deles e os apoiando também.

 

Texto: Leonardo Leal

Notícias relacionadas