Destaque Expresso Painel Política

Oposição aponta ineficiência do Governo de Minas com atraso dos salários e situação alega crise econômica

Atraso dos pagamentos das parcelas dos salários tem provocado reclamações dos servidores devido à dificuldade em honrar seus compromissos

O atraso no pagamento dos salários dos servidores estaduais têm sido recorrente nos últimos meses em Minas Gerais.  Na atual gestão do governador Fernando Pimentel, o parcelamento dos salários ocorre desde fevereiro de 2016, remunerações de até R$ 3 mil são pagas integralmente, já os vencimentos superiores tem recebido em duas ou três parcelas.

No entanto, o atraso dos pagamentos das parcelas tem provocado reclamações dos servidores devido à dificuldade em honrar seus compromissos. O JORNAL de Uberlândia ouviu dois representantes da Assembleia. Para a oposição há ineficiência de gestão, já a situação alega que a crise econômica tem levado a essa dificuldade e que o Estado tem preservado os serviços à população. Confira abaixo as opiniões da cada um.

Foto: Clarissa Barçante – Divulgação/ALMG

Deputado Luiz Humberto Carneiro

“Este tema tem sido pauta de recorrente cobrança do nosso bloco de deputados da oposição, mas até agora o governo não trouxe nenhuma solução. O que estamos presenciando é um governo que contrai grandes despesas, realiza aumento abusivo de impostos e não tem conseguido honrar nem com os pagamentos dos servidores públicos em dia. Reflexo de uma gestão ineficiente que penaliza o servidor, que sofre com dificuldades para arcar seus compromissos financeiros,  que todo cidadão possui”.

“É importante lembrar que em 2014 o Banco Central avaliou a performance da economia mineira e apontou que o nosso Estado teve o melhor balanço das contas públicas de todo o país naquela época. Portanto, a história do déficit herdado pelo governo anterior é uma farsa e não pode ser usada como justificativa. Esta avaliação, realizada pelo próprio governo federal sob a gestão do PT, comprova o superávit de Minas em 2014.

“Foi sob a condução de uma gestão responsável e eficiente que de 2003 a 2014 os salários dos servidores públicos estaduais foram, rigorosamente, pagos no 5º dia útil e o 13º antes do Natal. Mas a partir de 2015, o parcelamento dos salários implantado pelo governo do PT e o atraso nos pagamentos acabaram com esta garantia conquistada pelos servidores”.

Foto: Divulgação/ALMG

Deputado Leonídio Bouças

“Estamos vendo Minas Gerais numa situação muito melhor que o Rio de Janeiro que estava pagando os salários de maio. O Rio Grande do Sul também está com meses de atraso nos salários. Uma situação de crise dessas em um Estado com 853 municípios, ao contrário do Rio de Janeiro que tem 92 municípios.

“Nós temos uma máquina pública enorme, com policiais e professores em todos os municípios. O Brasil tem 5.570 municípios, praticamente, Minas têm 16% dos municípios do país. Com esse número grande de municípios, o Estado tem estado presente em todos eles com os serviços públicos preservados, ao contrário do Rio de Janeiro.

“O governador está conseguindo enfrentar a crise com muito trabalho. Qual governador, qual empresário gostaria de atrasar pagamentos de servidores?  Nenhum governo quer atrasar salário dos servidores, ocorre que quando não há dinheiro não tem como pagar. Há um esforço do governo em manter os pagamentos em dia. Ele conseguiu diminuir uma parcela de pagamento, o governo está no caminho correto.

“Os números mostram que o Brasil cresceu no último trimestre 0,2% e Minas Gerais teve um crescimento de 1,7%. Isso mostra que Minas Gerais está no caminho certo. Na época do governador Eduardo Azeredo do PSDB, o 13º salário era pago em oito parcelas, até agosto estava pagando o 13º”.

 

Texto: Leonardo Leal

Notícias relacionadas