Destaque Expresso Games

Já imaginou um desenho animado jogável? Esse é “Cuphead – Don´t deal with the Devil”

“Cuphead”  é um clássico jogo no estilo “run and gun” focado em batalhas de chefe e fases desafiadoras

Foto: Divulgação

Quando vi o lançamento desse jogo na E3 de 2015, imaginei comigo mesmo: “Que loucura”. De cara, o visual já atrai atenção, abordando uma “mistureba” louca entre desenhos minimalistamente lúdicos do início do século 20 e imagens coloridas estilo circense “macabro”. Com animações iguais aos primeiros desenhos de Disney, “Cuphead – Don´t deal with the Devil” (algo como: Nunca negocie com o Diabo) atraiu muita atenção desde sua apresentação.

“Cuphead” (em tradução simples, Cabeça de Xícara) é um clássico jogo no estilo “run and gun” focado em batalhas de chefe e fases desafiadoras. Inspirados por desenhos animados da década de 1930 como Betty Boop, Popeye, Felix the Cat e, claro, o famoso Mickey Mouse, os recursos visuais e de áudio foram criados com as mesmas técnicas de animação desenhadas a mão e aquarela.

Modelo de como foi produzido o game:

Foto: Divulgação

O game oferece duas opções de jogo (em um único jogador ou cooperativa local), além de fases em plataformas normais no estilo “run and gun”. Em algumas partes do mapa é possível lutar contra chefes em sua aeronave, já abordando um gênero mais “jogo de navinha”, no melhor estilo do “Thunder Force IV”. “Cuphead” traz como diferencial um estrondoso desafio técnico. Apesar de “bonitinho”, é um jogo desafiador como seus antepassados do gênero, como “Metal Slug”, “Mega Man” ou o famoso “Contra III” (que clássico!).

Modo “navinha” do jogo:

Foto: Divulgação

Aliás, “Cuphead” é mais desafiador ainda, mantendo apenas dois níveis de dificuldade: Simples ou Regular. A história começa quando Cuphead e seu irmão Mugman caem na lábia do Capiroto enquanto jogam em um cassino macabro. Em uma aposta de jogo, o Diabão ganha o direito das almas dos dois. Mas, tanto Cuphead como Mugman imploram por algum novo modo de pagar essa dívida. Então, o Belzebu, todo esperto, sugere que, se eles coletarem as almas de todos os que estão devendo, ele pode perdoá-los pela derrota. E assim a dupla começa sua jornada para coletar esses contratos das almas perdidas por toda a Ilha de Inkwell.

De um pequeno estúdio fundado por dois irmãos (Chad e Jared Moldenhauer), o MDHR, “Cuphead” teve um processo de idealização bem conturbado. Há boatos de que os irmãos hipotecaram suas residências a fim de conseguir recursos financeiros para terminar o desenvolvimento do jogo. Inclusive, o estúdio promete o jogo desde 2010.

Naturalmente, o jogo já teria um tempo de desenvolvimento maior, já que todo o processo de criação foi fidedignamente copiado dos desenhos antigos, adicionando a isso tudo uma trilha sonora espetacular, muito parecida com as jazz bands da época, que incorporavam todo um clima a esses desenhos.

De qualidade artística impecável, parecendo um desenho animado jogável, muita criatividade na criação do visual e da dificuldade dos chefes, ainda com uma trilha sonora magnífica, “Cuphead – Don´t deal with the Devil”, apesar de todo o processo conturbado de desenvolvimento, foi lançado dia 29 de setembro para XboxOne e PC/Steam.

Trailer de lançamento:

 

Texto: Lucas Luz

Notícias relacionadas