Expresso Nacional

Brasileiro diz pagar menos propina do que vizinhos da América Latina

O brasileiro é um dos que menos pagam propina para ter acesso a serviços públicos como hospitais e é o mais disposto a denunciar a prática

Foto: Pixabay

O Brasil é um antro de corrupção, uma Sodoma e Gomorra da propina, um país onde a cultura do suborno atinge do presidente da República ao favelado, certo? Uma pesquisa da Transparência Internacional em 20 países da América Latina coloca essa percepção em xeque: o brasileiro é um dos que menos pagam propina para ter acesso a serviços públicos como hospitais e é o mais disposto a denunciar a prática, segundo o levantamento feito com 22.302 pessoas em 20 países.

Entre os brasileiros, 11% dizem ter subornado agentes públicos para conseguir serviços como educação, emissão de documentos ou ajuda da polícia. É a segunda menor taxa. O país só perde para Trinidad e Tobago, com 6%.

No extremo oposto do espectro está o México, onde 51% da população diz ter pago propina para ter acesso a serviços públicos.

Na média do subcontinente, um em cada três habitantes da América Latina e Caribe declara ter pago propina para esse fim, segundo o levantamento. O percentual é mais alto entre os mais pobres (30%) do que entre os mais ricos (25%).

“Propina representa um meio de enriquecimento para poucos e uma barreira significativa para ter acesso a serviços públicos essenciais, particularmente para os mais vulneráveis”, diz José Ugaz, presidente da Transparência Internacional.

A entidade, com sede em Berlim, diferencia a grande corrupção da pequena, segundo Fabiano Angélico, consultor sênior no Brasil. A grande corrupção é definida como abuso para se atingir altos níveis de poder. Já a pequena é a negociação ilícita que vira prática cotidiana.

LAVA JATO
“O brasileiro tem uma percepção de corrupção sistêmica por causa dos grandes esquemas revelados pela Lava Jato, afirma Angélico. Já no caso da pequena corrupção, afirma, o país está muito melhor do que o resto da América Latina. Segundo ele, o acesso à educação já foi praticamente universalizado no Brasil enquanto países como Honduras têm de lidar com professores que fraudaram concursos e não têm condições de ensinar nada a ninguém.
“A escola é ruim no Brasil, o hospital é um horror, mas há um mínimo de acesso que não existe em outros países da América Latina”, diz Angélico. Essa diferença explica parcialmente por que o Brasil está em segundo lugar no mapa da propina latino-americano, de acordo com ele.

Há outras aparentes boas notícias na pesquisa, ainda de acordo com Angélico. Oito em cada dez brasileiros concordam com a frase “se eu testemunhasse um caso de corrupção, eu me sentiria obrigado a reportá-lo”. O percentual do Brasil (81%) só fica abaixo daqueles do Uruguai (83%) e da Costa Rica (82%).

Outro aspecto positivo é que 83% dos brasileiros dizem que pessoas comuns podem fazer a diferença no combate à corrupção. É o maior percentual da pesquisa. Logo abaixo aparecem Costa Rica e Paraguai, ambos com 82%.
O Brasil também atinge a maior taxa na América Latina e Caribe no empenho para levar adiante um caso de corrupção: 71% dizem que passariam um dia num tribunal para relatar desmandos envolvendo suborno. Uruguai (70%) e Costa Rica (66%) aparecem depois do Brasil.

Relatar corrupção é um ato de coragem na América Latina, de acordo com o levantamento. Isso porque quase um terço dos que denunciam suborno (28%) dizem ter sofrido retaliações.

É por essa razão que a Transparência Internacional defende que países como o Brasil adotem políticas públicas para proteger aqueles que apontam casos de corrupção.

POLÍTICOS E POLICIAIS
Políticos e policiais ocupam o topo do ranking daqueles que são considerados os mais corruptos, com 47%. Na Venezuela em crise, a crença de que a polícia é corrupta atinge 73% dos entrevistados. Executivos de empresas (36%) e líderes religiosos (25%) ocupam a parte de baixo dessa tabela.

Há também um aumento na taxa daqueles que acreditam que a corrupção aumentou nos últimos 12 meses: 62% dos entrevistados na América Latina acreditam nessa tendência. A Venezuela lidera o ranking com 87%, seguida por Chile (86%), Peru (86%) e Brasil (79%).

No caso brasileiro, o aumento da percepção está ligado às investigações da Operação Lava Jato, que revelou um esquema que envolve os principais partidos e as maiores empresas do país.

Texto: Folhapress

Notícias relacionadas