Destaque Editorial Expresso

O prefeito quer fazer o melhor, e temos que dar um crédito a ele

Nas rodas sociais sempre tem quem tome partido de A ou de B

Foto: Prefeitura de Uberlândia

Enquanto a crise econômica melhora e a ética piora no plano nacional, em Uberlândia o antes e o agora continuam com suas críticas e acusações. O que está bom é de quem está no exercício do poder e as mazelas são debitadas aos que o deixaram. É o padrão que predomina na política. Até os bem informados têm dificuldade em avaliar de forma plena esse quadro. Quem afinal sempre perde é a população. Mas de fato quem pode dar um veredito correto é a Justiça; e no que se refere à qualidade, ou seja, quem é culpado e quem administrou melhor, é o tempo. Nas rodas sociais sempre tem quem tome partido de A ou de B.

Uma coisa é certa: independentemente de quem esteja no cargo, temos que torcer e contribuir para dar certo, essa é a questão, essa é a obrigação dos habitantes da cidade e dos veículos de comunicação. Mas deixando claro que as críticas, o debate democrático, também ajudam aos que querem agir como cidadãos. O JORNAL tem por princípio sempre ouvir as duas partes e o compromisso permanente de informar a população.

Hoje, indiferentemente ao fato de haver ou não culpado, de forma geral está difícil para quem está no poder. A crise que se instalou nas áreas federal e estadual atinge fortemente os gestores municipais, e a classe política como um todo está em declínio. Está difícil separar os bons dos maus. As empresas estão tendo dificuldade em honrar seus compromissos, o desemprego aumenta, diminui a arrecadação  e cresce a revolta da população, de forma generalizada. As reclamações, com e sem razão, aumentam em época de crise.

Neste “inferno astral” cabe aos gestores públicos, principalmente os municipais, trabalhar mais e chorar menos, porque não se resolvem os problemas com pessimismo ou debitando as falhas aos antecessores. A população avalia o presente com o olho no futuro e gestores têm que dar mais do que prometeram e começar a adotar algo que já acontece há tempos na iniciativa privada: a busca incessante por produtividade e pela assimilação de tecnologias inovadoras. Em Uberlândia, são visíveis até agora as duas coisas. O prefeito quer fazer o melhor, e temos que dar um crédito a ele.

 

Editorial O JORNAL de Uberlândia

Notícias relacionadas

1 comentário

  1. Mas há crise em Uberlandia ??? Odelmo fez campanha dizendo que, o município estava muito bem e que ia ficar melhor. Um Município que está com dificuldades financeiras, o prefeito e Secretário tem condições de pagar salários de 50 a 90 mil reais/mês para médicos sem prestar atendimento ?

Comments are closed.