Destaque Editorial Expresso

Apanhando dos dois lados

Chegou o momento de falar sobre o Editorial, no Editorial. O editorial é a posição dos veículos, sejam impressos ou virtuais, de todos os veículos de comunicação.

Foto: Pixabay

Durante esses nove meses, tivemos um crescimento do número de leitores que foi além das nossas expectativas. Mais elogios do que críticas, ambos importantes para nos aperfeiçoarmos e para continuar com a nossa missão, a de buscar com imparcialidade informações. Por ser um veículo da e para a comunidade, temos que fazer com imparcialidade.

Temos no grupo de leitores várias tendências ideológicas, é bem visível no Facebook d’O JORNAL, principalmente quando fazemos as nossas enquetes. Quando elogiamos o atual prefeito, colocam-nos como jornal da Prefeitura – o que não somos; quando fazemos críticas à administração, colocam-nos como oposição – o que também não somos. Temos segurança do nosso papel, que é o de contribuir para a melhoria da cidade, ao fornecer um espaço democrático, sempre ouvindo as partes quando o assunto exige.

A sociedade de uma forma geral usa ou é usada pelo poder, pelos que estão ou pelos que pretendem estar “lá”. Alguns, quando nos classificam de um lado ou de outro, fazem-no de forma premeditada, querem que assumamos um lado. Não vai acontecer. O máximo é apoiarmos uma boa causa, um projeto que acreditamos ser melhor para a cidade, o Estado ou o País, ou mesmo um fato geral, como lutar por ideias que preconizam uma sociedade mais justa.

Recentemente fizemos nosso Facebook uma enquete com o título “Intervenção militar já”, por motivo plausível. Há essa discussão nas redes sociais, motivada pela fase de maior corrupção na história do País, em que, no Congresso, a maioria está sob suspeita ou condenada. Pela complexidade do assunto, O JORNAL apenas criou o clima e o espaço. Mas temos uma posição: defendemos a liberdade, o regime democrático. Entretanto, não temos como negar que quem nos representa hoje, infelizmente na sua maioria, criou uma ditadura partidária, corrupta e fisiológica vergonhosa. Podemos ter como solução uma intervenção, seja pelos militares ou pelo Judiciário.

Os nossos editoriais são resultado do ideal da nossa comunidade.  Podemos contrariar pessoas e até a maioria, mas não a motivação que nos levou a criar O JORNAL: a de contribuir para a construção de uma sociedade melhor. Afinal, a geração Y é constituída pelos que nasceram depois da internet. O JORNAL, depois da LAVA JATO.

Editorial – O JORNAL de Uberlândia

Notícias relacionadas