Destaque Expresso Games

Clashhhhhhh Royaleeee!!

Como já disse em colunas passadas, eu sempre escolho o tema da semana conforme o que o mercado oferece de novidade no setor.

Foto: Divulgação

Mas hoje farei algo um pouco diferente do costume. Vou explanar uma área que não é muito a minha praia, mas que faz um sucesso estrondoso no mundo dos jogos. Inclusive, pesquisando, é hoje a forma mais usual de utilização para esse tipo de entretenimento. Sim, são os mobiles (ou jogos para smartphones/tablets). E vou entrar com um dos campeões, o famoso “Clash Royale”.

No começo, o jogo não atraiu muito minha atenção, mas ao jogar mais profundamente, descobri um excelente game de estratégia. Na verdade “Clash Royale” é um MOBA (Multiplayer Online Battle Arena) de cartas colecionáveis. O jogo foi criado para plataformas (iOS e Android) para tablets e smartphones, pela Supercell, desenvolvedora baseada em Helsinque, Finlândia.

Essa pequena desenvolvedora teve seu nascimento apenas em 2010, sem muita ideia do que criar. Mas com a chegada e a explosão dos eSports, a Supercell teve seu pulo do gato: desenvolver jogos de competições estratégicas para plataformas simples. E foi assim que surgiram quatro games de sucesso: “Hay Day”, “Clash of Clans”, “Boom Beach” e, claro, “Clash Royale”.

O objetivo do jogo é simples: ganha quem destruir primeiro as torres (ou a torre principal) do adversário. Já a estratégia para esse objetivo, nem tanto… Você começa com um deck de quatro opções de cartas de ataque e mais quatro “reservas”. O tempo normal de renovação dessas cartas de ataque depende de elixir. Em modo normal, um elixir demora algo em torno de 2,8 segundos para renovar. No modo de elixir duplo, 1,4 segundo. Uma vez colocada a carta em jogo, uma nova no baralho começa a carregar para o uso no deck. O período de batalha é de apenas 3 minutos e pode haver uma “prorrogação” caso o jogo esteja empatado.

Arena típica de uma batalha Royale

Foto: Divulgação

Apesar de ser gratuito, a Supercell introduziu microtransações para o game. Como o ganho de experiência é demorado, ela vende (literalmente, através de cartão de crédito) novas cartas e novos “levels” para ascensão mais rápida na competição. Há sempre doações do jogo para o jogador e, no caso de vitória em uma partida simples, o jogador ganha um novo baú de premiação, com um determinado tempo para ser aberto. Mas, se a pessoa for um pouco afoita, pode usar suas moedas/gemas para abrir o baú ganho. Esse ciclo de baús constitui uma gama grande de premiação, como novas cartas, melhorias nas cartas existentes e moedas para transações internas no jogo.

“Clash Royale” fez tanto sucesso que, um ano após ser lançado, a desenvolvedora aprimorou o jogo com a oportunidade de jogos em duplas aleatórias ou com amigos definidos em lista de amizade do Facebook. Em meados de 2016, a Supercell comemorou uma marca significante no universo dos games: mais de 100 milhões de pessoas jogam seus games diariamente no mundo. Diariamente!

Presente nos maiores festivais e campeonatos de eSports, além de ter uma comunidade bastante engajada, com as competições e atualizações constantes e a garantia da qualidade da desenvolvedora Supercell, “Clash Royale” é um estrondoso sucesso no mundo das plataformas mobiles. Para os novatos que ainda não entraram nesse mundo, o game, gratuito, é facilmente achado nas stores das plataformas iOS e Android.

Comercial de TV para Clash Royale

 

Texto: Lucas Luz

Notícias relacionadas