Destaque Expresso Política

Vereadores independentes são contra aumento na conta de água

O líder do governo na Câmara, vereador Antônio Carrijo, destacou que um possível aumento é uma decisão técnica

Com o risco de aumento no valor da cobrança da água para a população de Uberlândia, o JORNAL ouviu vereadores independentes e da situação.

Os vereadores independentes apontaram que o aumento das despesas do Dmae (Departamento Municipal de Água e Esgoto) com a incorporação dos serviços de limpeza urbana e drenagem vai ocasionar um aumento para os moradores que já pagam esses serviços no IPTU. Eles se posicionaram contra.

O líder do governo na Câmara, vereador Antônio Carrijo, destacou que um possível aumento é uma decisão técnica que já teve aval do conselho responsável. Confira abaixo os posicionamentos dos edis.

 

Vereador Thiago Fernandes

Foto: Divulgação

“No inicio do ano foi aprovada uma lei que passou os serviços de limpeza urbana para o Dmae. O prefeito quando enviou esse projeto para a Câmara falou que os recursos arrecadados no IPTU destinados à coleta de lixo, resíduos sólidos, seriam transferidos para o Dmae. Ocorre que na prática, a prefeitura não transferiu um centavo, usou todo o caixa do Dmae para pagar uma despesa que era da prefeitura.

“Agora não posso aceitar que nenhum projeto venha aumentar o valor da conta d’água e nem que essa contribuição seja incluída na conta. Uma vez que o que tinha na prefeitura não foi transferido para o Dmae.

“Existe um risco de aumento no valor da conta de água porque já foi contratada uma consultoria pelo Dmae para que ela faça um estudo de possibilidade para que se aumente e passe a embutir os outros serviços na conta de água.

“Em cima dos grandes desperdícios que a gente tem visto por má gestão, não execução de obras que já foram pagas, e por a prefeitura não ter passado nenhum centavo para o Dmae, somos totalmente contra. Vou trabalhar para que não passe nenhum aumento e se passar no Legislativo, vou entrar na Justiça”.

 

Vereador Adriano Zago

Foto: Denilton Guimarães

“O risco do aumento da tarifa para poder bancar todos esses contratos é real, é iminente. De onde sairá esses recursos? Estamos falando de mais de R$ 70 milhões. O município ficou de repassar o dinheiro para o Dmae e até então não repassou”.

“A estrutura administrativa referente ao recolhimento de lixo e drenagem pluvial aumentou em mais de 100%, saindo da prefeitura e indo para o Dmae. Estamos falando em algo em torno de R$ 700 mil a mais, somente com o custeio da estrutura administrativa desses serviços. Aumentou significativamente o número de cargos comissionados no Dmae para poder executar esses serviços.

“Por esses fatores, o risco de aumento é real, vamos trabalhar para que isso não ocorra. Procuramos o Ministério Público para que o cidadão contribuinte não pague duas vezes, uma vez que ele já paga por meio dos impostos os serviços de limpeza urbana e de drenagem pluvial”.

Vereador Antônio Carrijo

Foto: Marlúcio Ferreira

“Estou na vida pública há 28 anos e nenhum prefeito fez política pública com aumento de água. A água de Uberlândia foi bem tratada. O grupo que pensou e construiu Uberlândia, o Renato de Freitas, o Virgílio Galassi e o Odelmo, sempre trataram a política de água em Uberlândia com muita responsabilidade e seriedade.

“Antigamente, todo aumento de água tinha que ter votação na Câmara e fazia-se política. Hoje não precisa mais de aprovação de lei, o aumento é feito por decreto. Acontece que tem político que gosta de viver de sensacionalismo.

“Primeiramente, o reajuste do valor referente à cobrança de água, é uma decisão técnica, não é política. O Cresan (Comitê Técnico de Regulação dos Serviços Municipais de Saneamento Básico). Já se reuniu e deu autorização para aprovação de reajuste no valor da conta de água. Agora é uma questão técnica. Se for ter reajuste, vamos falar porque que tem. É uma questão técnica.

“Os vereadores não votam reajuste, não tem razão de eles serem contra. Estão fazendo política. Quero saber qual o fundamento de o vereador ser contra o aumento.”

 

Texto: Leonardo Leal

Notícias relacionadas