Expresso Nacional

Polícia prende 3 por morte de jovem que marcou carona via WhatsApp

A Polícia Civil de São José do Rio Preto (448 km de São Paulo) prendeu na madrugada desta sexta-feira (3) três suspeitos de participação na morte da vendedora Kelly Cristina Cadamuro, 22.

Foto: Alex de Jesus/O Tempo/Folhapress

O corpo dela foi encontrado nesta quinta-feira (2) seminu, com as mãos amarradas e marcas de estrangulamento em um córrego entre os municípios de Itapagipe e Frutal, em Minas Gerais.

Segundo o tenente Virgílio Taparo -que comandou as buscas pelos suspeitos- disse ao UOL, um dos indivíduos presos, Jhonathan Pereira Prado, confessou o crime.

Kelly desapareceu depois de combinar uma carona por meio do aplicativo WhatsApp. Ela morava em Guapaiaçu (SP) e ia visitar o namorado, um engenheiro civil, em Itapagipe. A perícia vai indicar se ela sofreu violência sexual.

Prado contou, de acordo com a polícia, que passou a fazer parte de um grupo de WhatsApp onde eram combinadas caronas com a intenção de cometer o crime e que a vítima foi escolhida aleatoriamente.

O suspeito tinha contra ele dois mandados de prisão expedidos. Em março deste ano, Prado teve a saída temporária do Centro de Progressão Penitenciária de Rio Preto autorizada pela Justiça, mas não voltou. Ele possui passagens anteriores pela polícia por roubo, estelionato e lesão corporal enquadrado pela Lei Maria da Penha.

Além dele, também foram presos Wander Luís Cunha e Daniel Teodoro Silva por participação no crime. Segundo a polícia, Cunha ajudou a matar a jovem, e Silva é acusado de receptação por comprar o celular e outros objetos roubados dela. Os três têm passagem pela polícia por roubo.

“Ele [Prado] confessou que seguiu com a Kelly até o lugar do crime sozinho, mas que contou com a ajuda para matar a jovem”, afirmou Taparo. Segundo o tenente, no momento da abordagem da polícia, Prado confessou ter cometido o crime.

Ele foi transferido para Frutal na manhã desta sexta, onde prestou depoimento. Segundo o delegado responsável pelo caso, Bruno Giovanini de Paulo, o suspeito voltou a confessar o crime.

O caso está sendo tratado como latrocínio, mas o delegado não descarta mudanças até o fechamento da investigação.

O veículo de Kelly foi achado sem os pneus, som e equipamentos em uma estrada rural entre Rio Preto e Mirassol, em São Paulo. Os pneus do veículo da vítima foram encontrados dentro de um carro que estava com os suspeitos.

“Com os acusados foram encontrados a bolsa da vítima, um nécessaire e o celular que foi reconhecido pela família da Kelly e que inclusive continha fotos da vítima”, afirmou o tenente.

De acordo com Taparo, as imagens de uma câmara de segurança flagraram a jovem passando por uma praça de pedágio já em Minas Gerais acompanhada de Prado. Imagens feitas duas horas depois, mostram ele sozinho retornando com o carro para o Estado de São Paulo. Os vídeos ajudaram na identificação dos suspeitos.

A polícia diz acreditar na participação de um quarto criminoso e as investigações prosseguem.

CUIDADO
Familiares da vendedora contaram para a polícia que a jovem combinou dar carona para um casal com o objetivo de dividir as despesas. No ponto de encontro, na praça Cívica de São José do Rio Preto, só um homem, que seria Prado, apareceu para a viagem.

O namorado de Kelly, o engenheiro civil Marcos Antônio da Silva, 28, contou para a Polícia Civil que durante a viagem manteve contato com ela via WhatsApp.

Quando foi informado pela namorada que a mulher que também havia combinado carona tinha desistido, Marcos demonstrou preocupação pedindo “cuidado”.

A última mensagem do namorado visualizada por Kelly foi as 19h43, minutos antes de a vítima ser filmada pelas câmeras da praça de pedágio.

O veículo foi achado sem as rodas em uma estrada rural em São Paulo, às 10h desta quinta.

 

Texto: Folhapress

Notícias relacionadas