Destaque Expresso Games

O avô dos shooters em uma nova versão: “Wolfenstein II – The New Colossus”

Essa é a clássica saga “Wolfenstein”, provavelmente o “avô” de todos os FPS (First-Person Shooter) atuais.

Foto: Divulgação

Em um mundo onde a dicotomia das discussões ideológicas e a falta de diálogo respeitoso são a regra, abordar temas amplamente “polêmicos” não é para qualquer um. Ainda mais quando se entra em uma história de ficção, abusando de uma realidade paralela, com o objetivo de entretenimento. E, lógico, com muito sangue e piadas de gosto duvidoso. Essa é a clássica saga “Wolfenstein”, provavelmente o “avô” de todos os FPS (First-Person Shooter) atuais.

Muitos se enganam achando que Wolfenstein “3D” seria o primeiro jogo da saga. Mas, não. Em 1981, criado pela Muse Software, o “Castle of Wolfenstein”, jogo com perspectiva de visão superior e em segunda dimensão, inicialmente destinado ao Apple II (posteriormente a Atari 8-bit), foi história inicial da série. “Castle of Wolfenstein” é conhecido como “Wolfenstein 2D”.

Castle of Wolfenstein de 1981.

Foto: Divulgação

Já em 1992, lançado para MS-DOS, “Wolfenstein 3D”, o segundo game da série, foi bastante controverso. Não pela história em si, mas pela sua violência e principalmente por ser o primeiro jogo desenvolvido com a perspectiva em primeira pessoa (FPS) e terceira dimensão. O jogador assume o protagonismo do espião da CIA e forças aliadas, Billy J. Blazkowicz, na II Guerra Mundial, com o objetivo de fugir da prisão do castelo nazista de Wolfenstein, além de impedir um plano diabólico da criação de um exército de mortos-vivos e, claro, derrotar o Führer. A engine gráfica do game, criada por nada menos que John Carmack, mestre cofundador da iD Software, serviu de base para jogos como DOOM e “Quake!”. Posteriormente houve várias missões-sequências da história original, além de MODs e versões de aficionados.

O clássico Wolfenstein 3D

Foto: Divulgação

Com o sucesso desse clássico e toda a portabilidade para outras plataformas como SNES, MacOS, Atari Jaguar etc., além de todo o legado advindo da criação desse novo estilo shooter, houve um hiato na produção e na criação de novos jogos. Apenas em 2014, com distribuição da gigante Bethesda, em conjunto com o estúdio MachineGames (que comprou todos os direitos da iD Software), foi criado um remake/nova saga mesclando a temática antiga com uma nova visão da história.

“Wolfenstein – The New Order” também é um jogo de tiro em primeira pessoa, numa perspectiva em terceira dimensão, que abusa de muito “gore”, sangue e realidade paralela. O jogador continua sendo Billy J. Blazkowicz, alguns anos após o fim das aventuras do jogo clássico, “Wolfenstein 3D”. O problema é que Blazkowicz, antes de a guerra “acabar”, sofreu um acidente e entrou em um coma profundo de 14 anos. Ao sair do coma, já nos anos 1960, B.J. descobre que os nazistas ganharam a guerra em uma realidade alternativa, através de tecnologias bastante avançadas. A partir daí, B.J. se junta a um grupo de resistência e combate ao regime ditatorial do Terceiro Reich, principalmente contra o General Wilhelm Strasse (conhecido como “Deathshead”). As críticas para “The New Order” foram bastante positivas, principalmente pelo seu enredo maluco, pela narrativa concisa e pela mecânica de batalhas violentas. O game foi lançado para PC/Windows, Xbox360/One, PS3/4.

Agora, em meados do mês de outubro, o famoso agente da CIA, B.J. Blazkowicz, volta para novas batalhas em “Wolfenstein II – The New Colossus”. O game começa exatamente no final de “The New Order” e, durante uma cirurgia de emergência, Billy vai recordando todo o seu passado, tanto em operações de guerra, como abusos violentos que sofreu do seu pai. Claramente o jogo busca uma abordagem mais polêmica e política desse universo alternativo da história, mostrando um Estados Unidos ruído pelo domínio nazista pós-guerra. Aliás, essa avançada tecnologia nazi permitiu até a colonização da Lua. E é nesse cenário envolvente e chocante que toda a trama é desenvolvida, indo muito além do maniqueísmo exacerbado do bem X mal. Apesar de todo esse clima pesado, o jogo continua sendo considerado um dos mais divertidos, irreverentes e excêntricos do gênero de ação.

Combatendo uma linearidade de temas já utilizados, mecânicas de batalhas divertidas e muita polêmica em seu enredo (incluindo a presença de Adolf Hitler), “Wolfenstein II – The New Colossus” foi lançado dia 27 de outubro e distribuído pela Bethesda para PC/Steam, PS4 e XboxOne (sendo futuramente lançado para Nintendo Switch).

Trailer de lançamento de “Wolfenstein II – The New Colossus” 

 

Texto: Lucas Luz

Notícias relacionadas