Expresso Foco Segurança

Casal é preso por suspeita de morte de grávida e retirada do bebê

Crime aconteceu no bairro Monte Hebron, estado do bebê é estável

Um casal foi preso na noite de terça-feira (05), suspeito da morte de uma grávida de oito meses, no bairro Monte Hebron (zona oeste). De acordo com o Boletim de Ocorrência, Gabrielle Barcellos de 18 anos, que estava com oito meses de gestação teve o bebê retirado de sua barriga por A.R.F de 37 anos, após ter sido dopada e esganada.

Ainda conforme o B.O., A.R.F. teria recebido a vítima gestante em casa, momento em que ofereceu-lhe suco com rivotril, está passou mal e perdeu os sentidos. Na casa da suspeita, a vítima foi colocada em uma cama, esganada, em seguida teve a barriga aberta com um estilete vindo na sequência a óbito.

A.R.F disse à polícia que seu amásio E.C.S. de 34 anos sabia do homicídio. Já E.C.S confirmou à polícia o relato de A.R.F. que estava grávida, e que havia perdido a gravidez, porém, depois disse a ele que a gravidez continuava e que havia sido um erro médico, e desconversava quando E.C.S. perguntava sobre o acompanhamento médico.

Na tarde de terça, A.R.F. enviou mensagem ao amásio, dizendo que estava em trabalho de parto, disse também que iria para a UAI do Planalto. O amásio foi para a UAI Planalto esperar a mulher. Como A.R.F. não chegava, E.C.S. ligou para ela. Esta disse que o bebê havia nascido. Então, conforme o relato dele, E.C.S. se deslocou para sua casa com uma ambulância e foi recebido na porta, de imediato A.R.F. lhe entregou o bebê e o mandou ir rapidamente para o HC-UFU. A.R.F. foi posteriormente para o HC-UFU.

A.R.F confessou o crime à policia, disse que era amasiada de E.C.S. e após ter descoberto que estava grávida de gêmeos. Porém, alguns dias após ir ao médico, teve um aborto espontâneo, com isto o amásio resolveu terminar o relacionamento. Passado alguns dias, ela disse que houve erro médico e que a gravidez era de um bebê. Nesse período ela passou a observar uma vizinha que estava grávida e disse que daria as roupas para a mesma.

Ainda conforme o relato à polícia, A.R.F. convidou a vítima para ir a sua casa pegar as roupas de bebê foi quando executou o crime. A.R.F. disse à polícia que pesquisou na internet como tirar a criança da barriga da grávida.

O corpo da vítima foi encontrado pelo filho da suspeita, que ligou para a Polícia Militar, após notar o chão da casa com sangue e o corpo de uma pessoa enrolada em uma colcha de cama, com um tapete e uma bicicleta por cima. A perícia esteve no local e constatou o corte na barriga.

De acordo com a Polícia Civil, o estado do bebê é estável.

 

Texto: Redação

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta