Cidade Expresso Foco

Indústria do setor químico é alvo de operação do MPE

A investigação teve início a partir de informações eletrônicas apreendidas em computadores de investigados na chamada Operação Serendipe

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio das Coordenadorias Regionais das Promotorias de Justiça da Ordem Econômica e Tributária do Triângulo e Noroeste de Minas Gerais e do Patrimônio Público do Triângulo Mineiro, deflagrou na manhã desta sexta-feira (15), uma operação que investiga uma indústria do setor químico cujos proprietários são suspeitos de fraudarem licitações em diversos municípios de Minas e de outros estados.

Estão sendo cumpridos, em Uberlândia, três mandados judiciais de busca e apreensão na sede da empresa e nas residências dos proprietários. Fatos apurados apontam a criação de um esquema com a utilização de interpostas pessoas físicas e jurídicas (laranjas) nas habilitações em processos licitatórios promovidos por prefeituras e órgãos da administração pública.

Para dificultar o êxito das empresas concorrentes, em um único certame eram habilitadas diversas empresas utilizadas pelo esquema criminoso. A investigação teve início a partir de informações eletrônicas apreendidas em computadores de investigados na chamada Operação Serendipe, coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Uberlândia, e que apurou ilícitos penais diversos praticados por policiais civis e empresários vinculados à empresa investigada.

O material foi compartilhado, com autorização da Justiça, com as Coordenadorias Regionais das Promotorias de Justiça do Patrimônio Público e Ordem Econômica e Tributária e ocasionou o ajuizamento das medidas judiciais cumpridas nesta sexta-feira, 15. Participam da operação 11 auditores fiscais da Receita Estadual, 20 policiais militares e dois promotores de Justiça.

 

Texto: MPMG

Notícias relacionadas