Destaque Expresso Política

Após receber mais de 100 emendas Lei Orçamentária Anual é aprovada no texto original

Estratégia da situação foi retirar as emendas dos vereadores da base e derrubar as que foram mantidas

Fotos: Denilton Guimarães / CMU

A LOA (Lei Orçamentária Anual) referente ao exercício de 2018 foi aprovada na última quarta feira (13). O valor aprovado pela Casa de Leis foi de R$ 2,5 bilhões, dinheiro que deverá ser usado nas demandas da cidade. Os vereadores haviam enviado mais de cem emendas à LOA,  destas, apenas 25 foram mantidas, mas nenhuma foi aprovada. Entre elas, a de autoria do Vereador Adriano Zago do PMDB, que assegurava um reajuste pela inflação das verbas de subvenção repassadas pela prefeitura às entidades do terceiro setor. Zago criticou a atitude dos colegas e lamentou a derrubada das emendas.

“Infelizmente alguns vereadores ainda não entendem a independência dos poderes, trabalham a reboque do poder executivo. As peças orçamentárias, dentre elas o PPA a LDO, e a LOA, são as principais leis em que o vereador tem a oportunidade de demonstrar o trabalho dele para a comunidade, que é onde nós direcionamos os recursos que são provenientes dos nossos impostos, onde serão aplicados. O vereador tem essa prerrogativa e o prefeito por sua vez decide se vai ou não executá-las, não é nada impositivo. Mas a orientação aqui dada pelo líder do Prefeito foi para tratorar, passar por cima de tudo sem discutir. Derrubaram as emendas, inclusive dos vereadores da base. Aqueles que tiveram coragem de manter, as emendas foram derrubadas, nós lamentamos”, afirmou Zago.

O Líder do Governo na Câmara, Antônio Carrijo do PSDB, se defendeu dizendo que cabe ao Prefeito decidir os rumos da cidade.

Foto: Aline Rezende

“O que há é um processo democrático, estamos votando os projetos originais do Prefeito, ele foi eleito para governar, não nós vereadores. Nós fiscalizamos o executivo, nós apresentamos emendas sim, mas o plano de governo é do Odelmo, o Odelmo que ganhou a eleição. Nós estamos aqui para fazer leis, é lá que executa”, disse Carrijo.

 

Texto: Maria Clara Faria

Notícias relacionadas