Destaque Editorial Expresso

Em 2018, Lula e Aécio serão presos? E a Lava Jato, continua?

Parte significativa da população já os condenou e a pena é a pior possível para os verdadeiros políticos

Foto: Divulgação

O ano de 2018 começa com várias apostas, como: será que Lula e Aécio serão presos? Depois de todas as acusações, ainda há muitas dúvidas, em razão das últimas atitudes do nosso Supremo Tribunal. Eles podem até ser absolvidos pela Justiça, mas o desgaste político já aconteceu. Parte significativa da população já os condenou e a pena é a pior possível para os verdadeiros políticos, pois, indiferentemente ao que venha a acontecer, já não possuem mais credibilidade. Os discursos na defesa da ética que ambos utilizaram durante anos “já não colam”. Dois itens não têm valor quando não têm crédito: telefone celular e políticos – e a lista, nesse caso, é grande.

Em nosso Estado, cuja tradição é ser celeiro político, os dois nomes à frente nas pesquisas para o governo podem não ser candidatos este ano: o senador Aécio Neves e o atual governador, Fernando Pimentel, sofrem sérias acusações. Abaixo deles na pesquisa estão ilustres desconhecidos na nossa região, o que não é novidade, pois as lideranças do centro do Estado desconhecem o Triângulo Mineiro. A motivação de criar o Estado do Triângulo hoje é bandeira inviável por vários motivos, um deles é que não temos mais liderança como tínhamos no passado.

Outra aposta que alguns fazem é que a Lava Jato vai acabar. Temos elementos para afirmar que a Lava Jato nunca vai terminar. Podem tirar a força ou mesmo extinguir o grupo de Curitiba, mas os seus valores estão agora no DNA na maioria dos brasileiros, dentro de cada instituição. A Operação Lava Jato passou a ser um marco na história do nosso País. Até há pouco tempo os heróis estavam apenas nos livros de História, e nada no período contemporâneo. A Lava Jato é história: dos “crimes que envolvem desvios de verbas, delitos fazendários e até tráfico de drogas; o total cresceu 57% após a Lava Jato”, de acordo com matéria do Jornal O Estado de São Paulo do dia 31 de dezembro. Alguns que defendem o contrário a comparam com a Operação Mãos Limpas, realizada na Itália de 1992 a 1996, que foi esquecida pelos italianos. Mas há uma grande diferença: naquela época as redes sociais não tinham a força que têm hoje, além de estarem ao alcance de todos. Já há comentários que alguns políticos jovens pensam em mudar de “profissão” , ou seja, o que era uma missão virou profissão nos últimos anos, com direito até a edital, feito pelos pseudopartidos.

Então, caro leitor e eleitor, este vai ser um bom ano! Os maus políticos estão sendo condenados e a Lava Jato vai continuar, e nós, que estamos na rede, cultivamos não mais apenas esperanças, mas grandes vitórias: O JORNAL de Uberlândia já está ultrapassando os 120 mil acessos por mês. E a economia vai melhorar – não em razão das promessas que serão feitas no período eleitoral, mas porque os brasileiros estão mudando.

Editorial O JORNAL de Uberlândia

Notícias relacionadas