Expresso Internacional

Advogado diz que 3.700 pessoas foram detidas durante os protestos no Irã

Um advogado iraniano disse nesta terça (9) ao Parlamento do país que 3.700 pessoas foram presas por participarem dos protestos contra o governo, um número maior do que os cerca de mil detidos -sendo 450 na capital Teerã- estimados anteriormente.

Foto: Pixabay

O governo não divulgou um número oficial de presos nos atos que começaram há duas semanas e que deixaram pelo menos 22 mortos -sendo 21 manifestantes e um policial.

O advogado Mahmoud Sadeghi, de Teerã, disse à agência de notícias do Parlamento que 3.700 pessoas foram presas, sem detalhar como conseguiu o número. Segundo ele, as detenções foram feitas por diferentes forças de segurança e agentes de inteligência, o que dificultou a contagem.

Como o governo restringe as viagens pelo país, organizações internacionais e jornais estrangeiros não conseguiram fazer uma estimativa independente do número de presos.

Segundo o ministro do Interior, Abdolreza Rahmani Fazli, 42 mil pessoas participaram das manifestações que reclamavam contra o alto desemprego e contra a corrupção.

No domingo (7), o promotor Abbas Jafari Dolatabadi disse que 70 pessoas detidas já tinham sido liberadas e que outros seriam soltas em breve.

De acordo com ele, apenas os líderes dos protestos serão mantidos na prisão e “investigados seriamente”.

‘DERROTADOS’
O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, disse também nesta terça que o país “frustrou” as tentativas dos Estados Unidos e do Reino Unido de criarem uma revolta contra o governo durante os protestos.

“O inimigo fez repetidas tentativas e foi derrotado todas as vezes”, disse ele. “Isso acontece devido à resistência popular e à força nacional.”

Logo após o início dos protestos, Khamenei já tinha culpados “inimigos externos” pelas manifestações.

As manifestações contra o governo, as maiores desde 2009, começaram em 27 de dezembro na cidade de Mashhad, a segunda mais populosa do Irã, e rapidamente se espalharam pelo país.

Os atos, porém, se dissiparam após as autoridades aumentarem o número de policiais e soldados nas ruas e restringirem o uso das redes sociais , que os manifestantes usavam para se organizarem. Grupos favoráveis ao governo também fizeram uma série de atos em apoio às autoridades em resposta.

 

Texto: Folhapress

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta