Destaque Expresso Política

Legislativo também se manifesta contra aumento abusivo dos valores dos combustíveis

Vereador PC questionou junto ao Procon e vai acionar o MPF, já Michele Bretas afirmou que vai buscar as formas legais e critica a falta de ação dos deputados federais

Após o aumento no valor dos combustíveis no dia 04 de janeiro, o vereador PC (Paulo César) questionou junto ao Procon as providências que o órgão tem tomado. Também, a vereadora Michele Bretas denunciou, em seu primeiro mandato, a formação de um possível cartel em Uberlândia. Segundo a vereadora o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) segue com um processo administrativo em curso. O JORNAL de Uberlândia ouviu os dois parlamentares que consideraram os aumentos abusivos e destacam que vão cobrar providências dos órgãos e representantes, junto com a população.

Foto: Leonardo Leal

Vereador PC – Paulo Cesar

“A meu ver os aumentos são abusivos, há uma diferença grande entre as cidades. Hoje nesse contexto, o valor do combustível subindo, a deflação do salário mínimo, vem liberação de verbas para as campanhas, a população fica transtornada. Nós que estamos pagando.  Isso gera uma sensação de indignação geral.

“As manifestações são válidas é um ato de cidadania. A população já não aguenta mais tanto aumento, corrupção generalizada e tem que pagar o preço de tudo. Por outro lado, sabemos que os aumentos têm relação com o câmbio do dólar, está em um contexto nacional.

Fiz um questionamento junto ao Procon e eles responderam que encaminharam todas as cotações de preços realizadas pelo órgão em campo ao MPF (Ministério Público Federal). Vamos entrar em contato com o MPF para saber o andamento dessas ações.

Foto: Denilton Guimarães / CMU

Vereadora Michele Bretas

“No meu primeiro ano de mandato, em 2013, denunciei a formação de Cartel na cidade, quando  então o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) instalou processo administrativo, que ainda está em curso. Fiz isso porque acredito nos empresários sérios que por vezes sofrem com esse tipo de ação de outros, desrespeitando o direito dos consumidores, uma vez que a uniformização de preços fere a livre concorrência.

“Na época, também alertei na tribuna da Câmara de Vereadores a respeito da falência da Petrobras, proveniente do desgoverno da gestão petista de então. Não era preciso bola de cristal para ver que os brasileiros estavam pagando as contas da corrupção e que essa conta aumentaria.

“Hoje, infelizmente, temos tido aumentos gerais nos combustíveis em todo o país praticamente a cada semana, como forma de pagar os prejuízos causados pela gestão passada. Sofre população, mas também o empresário que tem que repassar o custo ao consumidor.

“Enquanto vereadora, estou atuando nas formas legais de intervir. Contudo, precisamos cobrar duramente dos nossos deputados federais, que dada a representação que deveriam exercer em Brasília, teriam que ser os primeiros a questionar e impedir o aumento abusivo em sequência, como temos visto sendo praticados pelas refinarias. Como deixaram que chegassem a esse ponto?”

 

Texto: Leonardo Leal

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta