Destaque Expresso Painel

Legislativo local tem opiniões divergentes sobre o julgamento do ex-presidente Lula

O vereador Felipe Felps acredita que haverá condenação do ex-presidente, já Hélio Ferraz (Baiano) defende que o tribunal julgue sem interferência política

Na próxima quarta-feira (24), acontece o julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região). Em Julho do ano passado, o ex-presidente foi condenado pelo juiz Sérgio Moro a nove anos e seis meses por corrupção e lavagem de dinheiro. Em caso de condenação em segunda instância Lula fica inelegível conforme prevê a Lei da Ficha Limpa, todavia ele pode se manter na disputa por meio de recursos aos STJ (Superior Tribunal de Justiça) e ao STF (Supremo Tribunal Federal).

O JORNAL de Uberlândia ouviu a opinião dos vereadores sobre o julgamento e a condenação ou absolvição do ex-presidente. Confira abaixo:

Foto: Denilton Guimarães

Vereador Felipe Felps

“Temos diversas situações que foram desmascaradas com relação á gestão durante o governo Lula e Dilma que desencadearam nessa série de operações da Lava Jato. Politicamente falando todo mundo espera essa condenação para voltar a ter uma credibilidade nesse cenário político.

“Falando com advogado, imagino que venha uma condenação, porque a gente tem visto que o tribunal (TRF-4) de cerca de 70 casos apresentados da Lava Jato, apenas cinco houve absolvição. A gente vê que a tendência é a condenação de tudo aquilo que está sendo feito nesse processo.

“Por trás do julgamento há uma discussão jurídica muito grande, a carga que ele vai receber é de inúmeras fraudes, mas o que há contra ele é uma eventual irregularidade no apartamento. A meu ver, a decisão será mais política do que jurídica. Ela tem uma carga política muito grande que é esse anseio social da condenação”.

Foto: Denilton Guimarães

Vereador Hélio Ferraz (Baiano)

“Acredito que a Justiça vai ter bom senso, e julgará de acordo com o código penal. Espero que a Justiça cumpra seu dever. Acredito que haverá um resultado equilibrado e que a Justiça faça a sua parte. O que está precisando nesse país é cada um trabalhe dentro da sua jurisdição. Que o poder Judiciário interfira menos nos trabalhos do Legislativo e que o Legislativo também tenha menos interferência no poder judiciário e que as instituições sejam imparciais.

“O julgamento do recurso deve ser ater à esfera judicial não política. Porque na política quem condena ou absolve é o povo através do voto. Acredito que o julgamento deve ser judicial para não haver discussões posteriores”.

Foto: Denilton Guimarães / CMU

Vereadora Michele Bretas

“O que chama a atenção neste processo é que após quase 20 anos que o Lula foi candidato pela primeira vez à Presidência da República, ser ele, ainda, a alternativa do PT e para uma parcela significativa dos brasileiros, é retrato da falta de novas lideranças políticas no Brasil. Isso prova que nem mesmo o PT, que luta pelo seu retorno, formou novos líderes ao longo de todos esses anos.

“O Lula será julgado pela justiça, e espero que o melhor seja feito. Mas a mensagem que fica é a de que precisamos de novos líderes para mudar os rumos do país. Somente assim, teremos um futuro melhor, ou daqui há alguns anos, ainda estaremos falando dos mesmos de sempre”.

 

Texto: Leonardo Leal

Notícias relacionadas