Destaque Editorial Expresso

A semana da Justiça: o antes e o depois

Os que conhecem a nossa cultura afirmavam que nada iria acontecer de extraordinário

Foto: Pixabay

A expectativa do “antes” sobre o julgamento de Lula, para algumas pessoas, era catastrófica, ou seja: o País iria parar, havia possibilidade de grandes conflitos e até de morte, haveria invasão de propriedade. Os que conhecem a nossa cultura afirmavam que nada iria acontecer de extraordinário, pois estamos no “país do carnaval”, “país bonito por natureza”.

Houve desvio fora do normal, sim. Estamos em um processo de melhoria contínua em todas as áreas. E não podemos esquecer que em todas as instâncias temos os nossos semelhantes, pessoas que possuem o DNA brasileiro.

Nas redes sociais, hoje o principal veículo de interação social, em que predominam as notícias falsas (as já conhecidas fake news), circularam informações para todos os gostos. Radicais de direita e de esquerda se divertiram, de forma séria – alguns agindo de forma irresponsável –, mas, no balanço, predominou o lado positivo. Temos que saber o que acontece. Se formos muito seletivos, podemos ficar fora da realidade, porque as inverdades não vão deixar de existir e, ao provocar discussões e busca pela verdade, terminam por contribuir, de certa forma, para a construção do resultado final.

No caso das mídias, temos de procurar melhorar a qualidade da informação, para que sempre o resultado atenda à maioria. O filósofo social iluminista Jean-Jacques Rousseau afirmou que “quem quer agradar a todos não agrada a ninguém”. A imprensa e quem ocupa cargos, principalmente públicos, tentam acertar sempre e agradar a quem de fato deve ser contemplado de forma justa.

Lula foi condenado por unanimidade pela Justiça, mas seus advogados podem ainda entrar com recurso. O que deve prevalecer no final não é se ele ficará preso ou livre, é que haja justiça. Esse é o resultado que nós precisamos ter, acreditamos que teremos. Apesar das nossas imperfeições, estamos indo melhor do que o esperado. A Operação Lava Jato passou a ser um marco na história do País, mostrando que ninguém está acima da lei. A classe política e os maus empresários receberam uma lição, esse é o exemplo que nos faltava. Podemos agora ter esperança de dias melhores.

Editorial – O JORNAL de Uberlândia

Notícias relacionadas