Destaque Expresso Música Rock

6 artistas negros tão incríveis como o Pantera Negra

Com o lançamento de Pantera Negra, decidi listar alguns artistas negros do rock que ajudaram o gênero a se desenvolver e criar um legado para a música.

Anderson Tissa é jornalista, publicitário e autor da coluna Vida Longa, Baby!

Está todo mundo elogiando muito o novo lançamento da Marvel e Disney, Pantera Negra. O filme que apresenta um conteúdo político forte e por muitas vezes direto, discute questões como o racismo e apresenta o primeiro super-herói negro da história dos quadrinhos. Ainda não fui ao cinema assisti-lo, mas estou botando muita fé no longa de Ryan Coogler, diretor bastante elogiado por “Frutivale Station: A Última Parada”, filme que foca em questões raciais, e “Creed: Nascido para Lutar”, sétimo filme da saga Rocky.

É um filme que conta a história de um super-herói negro, feito por um diretor negro, um roteirista negro, um produtor negro e um elenco com diversos atores negros. Qual a importância disso? Além de colocar em pauta as questões de preconceito e igualdade, a obra sai da curva comparada aos principais blockbusters da indústria. Segundo a pesquisa realizada pela Universidade do Sul da Califórnia, dos 900 filmes lançados por Hollywood, entre 2007 e 2016, apenas 13% de atores com falas são negros.

Inspirado neste momento de veemência afro-americana, decidi listar seis artistas negros do rock, que ajudaram o gênero a desenvolver e criar um legado incrível para a música. Let’s go!

Chuck Berry

Começamos com esse monstro que foi um dos principais nomes para consolidação do gênero nos anos 50. Chuck Berry é influência para músicos até os dias de hoje, mas também o cara é dono de canções históricas como Johnny B. Goode, Roll Over Bethoven, Maybellene, Sweet Little Sixteen e School Days. Para se ter ideia da influência desse mito, o guitarrista jurássico Keith Richards dos Stones disse durante a premiação do Rock and Roll Hall of Fame: “É difícil pra mim apresentar Chuck Berry, porque eu copiei todos os acordes que ele já tocou!”. Nomes de peso como Animals, Beatles e Stones regravaram suas canções. Até a banda brasileira Cidade Negra fez uma versão de Johnny B. Goode. É um nome indispensável em qualquer playlist cinquentista.

Jimi Hendrix


Outro monstro sagrado. Jimi Hendrix dispensa qualquer apresentação por se tratar do guitarrista mais lendário da história do rock. Acredito que esteve em 1º lugar em 99,9% das listas de Melhores Guitarristas de Todos os Tempos feitas por revistas especializadas. Logo no seu álbum de estreia, o conceituado “Are You Experienced”?, conquistou sucesso imediato de público e crítica. O disco se tornou um dos maiores debuts da história do gênero. O cara também se destacava por criar solos fantásticos como os das músicas Red House, Voodoo Child e Little Wing. Hendrix, sem dúvida nenhuma, é um símbolo absoluto no rock.

Sister Rosetta Tharpe

Menos conhecida, principalmente pela nova geração, mas de talento inquestionável. “A Mãe do Rock”, como ficou conhecida, nasceu em 1915, há exatos 103 anos. É tempo à beça. Foi uma inspiração não somente como artista, mas também como uma mulher forte, criativa e a frente do seu tempo. Naquela época, foi a única a experimentar e misturar música gospel com um ritmo que futuramente viria a se chamar rock n’ roll. Com o pioneirismo no sangue, gravou em 1944, Strange Things Happening Every Day, considerado por muitos a primeira canção de rock.

Bo Diddley


Esse é tão foda que criou uma batida característica em sua guitarra que veio a ser conhecida por “Bo Diddley Beat”. O forte da sua música era realmente o ritmo. Suas canções, por exemplo, Hey Bo Diddley e Who Do You Love? na maioria não apresentam mudanças de acorde. Ou seja, não foram compostas com claves musicais, e o cara tem de cantar e tocar no mesmo acorde durante todo o tempo. Esse seu suingue futuramente influenciou diversos guitarristas do estilo surf rock. E acredito que Bo nunca tenha subido numa prancha em toda sua vida.

Little Richard


Negro, homossexual e de família cristã ortodoxa. Tudo conspirava contra o ingresso de Richard no mundo do rock. Mas se tem uma coisa que o rock n’ roll sabe fazer é quebrar pré-julgamentos. Tanto é verdade que sua Tutti Frutti encabeçou a lista As 100 Canções que Mudaram o Mundo da britânica Mojo Magazine, com Joe Perri e Jack Johnson como membros do júri. A letra de Tutti Frutti era obscena demais para a época. Então para ser gravada e exibida nas rádios foi preciso alterá-la. Deu tão certo que até Elvis Presley regravou a música.

Michael Jackson


Momento polêmico! Sim, Michael Jackson é considerado e conhecido em toda nossa galáxia como o Rei do Pop, mas é inegável que tinha o pé no rock. Parcerias com Eddie Van Halen, Toto, Carlos Santana e Slash comprovam a versatilidade do seu som. Eu considero Black or White e Beat It músicas de rock, mas também é claro que enquadram na categoria pop. Sem dizer que o álbum “Thriller” figura em diversas listas especializadas como um dos melhores álbuns de rock. Então não sou eu que vou dizer ao contrário: Michael é funk, soul, pop e rock n’ roll. E sem dúvida nenhuma um dos maiores artistas, se é que não é o maior, da história da música.

Menciono ainda para os curiosos e nerds musicais: Brains, Living Colour, Lenny Kravitz, Bloc Party e o brasileiro Clemente Nascimento, um dos principais nomes do nosso punk.

Texto: Anderson Tissa

Notícias relacionadas