Destaque Entrevista Expresso

Marcos Montes fala sobre a trajetória e ação política em prol dos municípios da região

Em 2017, Montes foi premiado em 2017 por um júri especializado do site Congresso em Foco como o parlamentar que mais se destaca na defesa da agropecuária

Foto: Divulgação

Reeleito em 2014 com 116.175 votos para seu terceiro mandato (2015/2018), o deputado federal Marcos Montes teve votações expressivas em dezenas de municípios, e na condição de majoritário em várias cidades – inclusive em Uberaba, seu domicílio eleitoral.

Médico formado pela UFU (Universidade Federal de Uberlândia), foi professor da UFTM (Universidade Federal do Triângulo Mineiro), com especialização em Medicina do Trabalho, Medicina Intensivista e Anestesiologia. Também é produtor rural – membro da Frente Parlamentar da Agropecuária, e foi presidente da FPA na gestão 2015/2016.

Apaixonado por esportes, iniciou sua trajetória política como titular da Secretaria de Esporte e Lazer de Uberaba. A partir daí, se elegeu prefeito da cidade em dois mandatos (1997/2000 – 2001/agosto de 2004), quando assumiu o comando da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Esportes de Minas Gerais.

Em 2017, Montes foi premiado em 2017 por um júri especializado do site Congresso em Foco como o parlamentar que mais se destaca na defesa da agropecuária. Também foi indicado pelo Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) como um dos 100 parlamentares mais influentes do Congresso Nacional, um dos nove de Minas Gerais, estado que tem uma bancada de 53 deputados federais e três senadores.

O deputado destacou que a premiação é um estímulo a mais para continuar cumprindo o compromisso que tem com o Brasil. Em entrevista a O JORNAL de Uberlândia, Montes fala sobre sua trajetória política, emendas em prol da saúde e as articulações entre os ministérios e as lideranças dos municípios.

Foto: Divulgação

Qual partido o senhor iniciou a sua trajetória, houve mudança no no último pleito e por quê?

Tive dois partidos, o primeiro foi o PFL/DEM. O segundo e atual é o PSD (Partido Social Democrático), em que fui um dos primeiros parlamentares a se filiar à legenda, assim que foi criada no Brasil em setembro de 2011. Poucos dias depois, fundei o PSD de Uberaba – cidade onde fui prefeito por duas gestões e tenho principal base política, além de ser meu domicílio eleitoral.

Atualmente o PSD é a 3ª maior força eleitoral do país – lugar conquistado nas eleições de 2016. Elegeu 542 prefeitos e 4.639 vereadores. Em Minas Gerais o PSD elegeu 57 prefeitos, 49 vice-prefeitos e 460 vereadores em 2016 para o mandato 2017/2020.

Entre os vice-prefeitos, estão Paulo Sérgio e João Ripposati, das duas maiores cidades do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba, respectivamente Uberlândia e Uberaba.

Nos dois casos, tive participação decisiva na indicação, com apoio e atuando nas articulações. Odelmo Leão (PP) e Paulo Piau (PMDB) foram eleitos no primeiro turno, respectivamente prefeitos de Uberlândia e Uberaba.

 

Qual cargo político o senhor ocupa hoje e qual pensa concorrer neste ano?

Estou no terceiro mandato consecutivo de deputado federal. Sou pré-candidato à reeleição 2018. Assumi em 2017 a liderança da bancada do PSD (PSD) na Câmara – a quinta maior, com 38 deputados federais. A escolha aconteceu através do voto dos colegas deputados.

A Liderança é de um ano e encerra agora, em fevereiro de 2018.

 

Por ordem de votação, quais as dez cidades em que receberam mais votos?

As 10 cidades em que obtive as maiores votações foram: Uberaba (52.735), Araxá (8.900), Perdizes (2.725), Sacramento (2.467), Alterosa (2.451), Monte Alegre de Minas (2.346), Tupaciguara (2.010), Centralina (1.641), Prata (1.562), Ituiutaba (1.525).

As cidades onde fui o mais votado foram: Água Comprida, Alterosa, Araxá, Campos Altos, Centralina, Conquista, Delta, Monte Alegre de Minas, Perdizes, Pirajuba, Sacramento, Santa Vitória, Tapira, Uberaba.

 

 O que o senhor tem feito para estas cidades até o momento e para o Estado de Minas como um todo?

As ações têm sido as mais abrangentes, com alguns destaques para, a destinação de emendas individuais e participação nas emendas coletivas da bancada de deputados federais de Minas Gerais. Priorizando a Saúde, mas contribuindo também com a Segurança Pública, Educação, Esportes, Infraestrutura, Agricultura – especialmente a Familiar.

A conquista de projetos especiais reivindicados pelos municípios, como equipamentos para hospitais, agricultura, instituições que trabalham com inclusão social, entre outros.

Articulações que aproximam as lideranças dos municípios e os ministérios e órgãos federais – incluindo agendamento de reuniões entre as lideranças com ministros e representantes dos órgãos federais.

Os recursos de emendas individuais e outras conquistas em 2017/2018 para as 49 cidades da base política, somaram cerca de R$ 40 milhões, sendo que: 1) Todos os recursos estão em fase de execução. 2) Os recursos do Ministério da Saúde para custeio já foram pagos. 3) Os ônibus escolares já foram entregues. 4) As viaturas policiais foram entregues.

No caso do Estado, tenho participado de todas as emendas coletivas e defendido, em Brasília, os projetos de Minas Gerais que julgo de interesse público.

 

Quais candidatos o senhor pensa apoiar para Governador e Presidente da República?

Apoios ainda dependem de uma série de articulações, inclusive de decisões do PSD. O partidos se prepara para participar do processo eleitoral majoritário, tanto para presidente quanto para governador de Minas. Na disputa de Minas Gerais, ainda não tem nomes definidos. Para presidente da República, o partido abriga a filiação do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, pré-candidato, mas ainda em fase de reflexões. O ministro diz que vai decidir em março.

 

O que pretende defender e fazer caso seja reeleito?

Se reeleito, vou dar prosseguimento às ações do atual mandato, inclusive no que se refere à defesa intransigente de projetos que promovam a melhoria econômica do País.

 

 

Texto: Redação

Notícias relacionadas