Cultura Destaque Expresso Literatura

Me aceita como eu sou

Foto: Marcelo Felice

Eu sou uma foto antiga à espera da moldura

Sou a tristeza disfarçada em candura

Sou contradição, dicotomia pura:

Me aceita como eu sou?

 

Eu sou um livro aberto, páginas em branco

Sou endereço certo de um sorriso franco

Às vezes só desperto se levar um tranco…

Me aceita como eu sou?

 

Eu sou pura emoção, sou alma que irradia

Sou comoção, lágrima, sou alegria

Sou porto seguro no fim de cada dia!

Me aceita como eu sou?

 

Eu sou aquele que não mede sacrifícios

Que faz malabarismo à beira dos precipícios

Que, por amor, aceita todos os suplícios…

Me aceita como eu sou?

 

Eu sou turrão, conservador e previsível

E sofri muito quando entendi ser substituível

Sou um guerreiro que enfrenta o impossível!

Me aceita como eu sou?

 

Entenda que hoje eu sou só um aprendiz

Do estranho ofício de viver e tentar ser feliz

E que trago na alma uma horrenda cicatriz

Pela dor de uma história que renego e nunca quis.

 

O seu abraço é perfeito para o meu espaço

Só o seu amor anestesia minha intensa e aguda dor…

Já não sou mais o mesmo, mas mantenho a fé…

 

Me aceita como eu sou…

Te quero como você é!

 

Texto: Marcelo Felice

Notícias relacionadas